quarta-feira, abril 01, 2015

Livro inacabado


Maria do Carmo inquieta-se. Cansaço. Muito. Viagens curtas e rápidas. Inspecções. Hospitais. Grupos de pessoas. Um agora, outro mais logo. Desgasta-se em conversas que lhe ferem os ouvidos e a boca enquanto se ausenta por dentro. Senta-se no escritório, cruza e descruza as pernas na leitura de um livro que nunca fora capaz de acabar. Olha, nervosamente, em volta. As chaves do carro estão ali. Só o conduziu uma vez. Potente, desportivo, veloz, muito veloz. Levanta-se de um salto, agarra as chaves e desce as escadas, duas a duas, até à garagem. (foda-se! esqueci-me dos documentos!) Volta atrás e procura a carteira. Corre de novo. Parece que o mundo lhe foge. As estradas lhe fogem. Os estofos de couro ainda cheiram a novo. Tem que pensar como fazer com as mudanças automáticas. Arranca um pouco aos soluços, vai avançando para a rua e, logo, em direcção à autoestrada. Começa a acelerar. Cento e quarenta é o habitual. Cento e sessenta. Cento e oitenta. Ah! Que se lixe! O pé pesa mais e mais, 220, marca o indicador de velocidade. Quer mais. Atinge os 240. Voa do lado esquerdo. Conhece bem o trajecto. Sabe que, lá à frente, há uma curva apertada. (e se?) Respira fundo e desacelera. (hoje, não!) Segue em condução rápida e desportiva, sentindo o roncar do motor. Em pouco tempo, estará em casa, a ler o livro que não terminou.

16 comentários:

  1. A Maria do Carmo decidiu de forma sensata. O livro pode ir sendo lido. Entretanto, hoje não, e amanhã também não, mas um dia a curva da má sorte será cruzada, mas enquanto não a é, Maria do Carmo terá ainda o prazer de ler os livros que bem entender.
    Adorei o texto, senti a adrenalina na ponta dos dedos, e gostei muito.
    Beijinho, Maria e não fugi, mas ando um nadinha arredia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certamente, lerá muitos mais livros. :)

      Beijos, Sandra. :)

      Eliminar
  2. É sempre bom ter um livro
    que ainda não se tenha lido
    ou, se começado
    ainda não se tenha acabado

    a vida pode ser esse livro
    e quanto a mim
    ninguém tem o direito
    de lhe antecipar o fim

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, Rogério. Esta minha personagem, afinal, tem juízo. :)

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  3. Querida Maria Eu,
    A urgência das estradas que fogem é um apelo voraz. Gostei muito.
    (Mais algum tempo e estará em casa a receber a notificação da multa...)
    Bom dia,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será que havia radares? Há sempre hipótese de reclamação. Os radares são pouco fiáveis. :)

      Beijos, Ente, e boa tarde. :)

      Eliminar
  4. Maria, de vez em quando, sinestesia e adrenalina merecem andar de mãos dadas, ouvindo a banda sonora de Pulp Fiction (a qual não me canso de ouvir). Cores, sabores, sons, cheiros, calor, frio e emoção a acelerar até aos 240…mas conscientemente.
    A vida é assim, um pouco de loucura, ela é para ser vivida, não importa como…mas nunca nos esqueçamos, que o melhor da vida, é que ela é “nossa”!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viver tem sempre uma componente de loucura, ou não é viver!

      Beijos, Legionário, e aproveita bem a Semana Santa. :)

      Eliminar
  5. A potência, a velocidade e o inacabado, é sempre um bom destino.

    Bom dia, Maria Tu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Atrai, não é verdade?

      Boa tarde, JM, e um beijo. :)

      Eliminar
  6. Pé no travão quando se tem ainda um livro à mão :))

    ResponderEliminar
  7. You've got a fast car
    I wanna ticket to anywhere
    Maybe we can make a deal
    Maybe together we can get somewhere
    Any place is better
    Starting from zero, got nothing to lose
    Maybe we'll make something
    Me, myself, I've got nothing to prove

    ResponderEliminar
  8. Oh Lord, won't you buy me a Mercedes Benz ? My friends all drive Porsches...

    E se estivesse a ler o Pessoa, ele mesmo e não um dos seus heterónimos, talvez o Liberdade? Que prazer ter um livro para ler e não fazer... ;-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ter um livro à espera é ter esperança.

      Beijos, Tio. :)

      Eliminar