quarta-feira, abril 29, 2015

Bajulação

(Jorge Pinheiro)

Maria do Carmo não costumava frequentar eventos públicos na qualidade de figura de primeiras cadeiras da plateia. Recebia alguns convites e rasgava-os, preferindo engrossar a fila para a compra de bilhetes, ou, sendo gratuito, integrar a turba indistinta. Divertia-a observar a bajulação dos costumeiros Drs. aos Doutores ou, mesmo, de todos eles aos não Drs., desde que detentores de poder, e o espanto dos que a viam sair, provinda de um lugar mais discreto, quando sabiam que poderia estar lá na frente.


18 comentários:

  1. Respostas
    1. Eheheheheheh. Tiveste graça!

      Beijos, Rogério. :)

      Eliminar
  2. Não gosto de bajulação....e bajuladores!!
    Muito Bom!!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem que não havia engenheiros!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, pá, esqueci-me dos engenheiros!!

      Beijos, Ricardo. :)

      Eliminar
  4. Os bajuladores não têm estima por si mesmo, geralmente faltam-lhes amor próprio, dignidade, capacidade para estar, conviver e conquistar qualquer posição pelos seus próprios méritos.
    Infelizmente Maria, em certos meios é o que se vê mais!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São reptilíneos, os bajuladores.

      Beijos, meu caro Legionário. :)

      Eliminar
  5. Imagino as "amigas" da Maria do Carmo - (que a viam sair, provinda de um lugar mais discreto, quando sabiam que poderia estar lá na frente.) - "dá Deus nozes a quem não tem dentes" - Típico!
    Beijinho Maria

    ResponderEliminar
  6. A gentleman has no need to raise his voice. Ainda que publicitária, é uma frase tão verdadeira!

    Poder ser Maria do Carmo é, contudo, um privilégio da natureza :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se é, Ness!
      Acho que ela não se importa nadinha com o que outros pensem, e faz bem. :)))

      Beijos. :)

      Eliminar
  7. Maria poucas pessoas tem a nobreza da humildade e da igualdade. Os grande nomes que fizeram história a favor da humanidade, andavam lado a lado com todo o povo, fossem eles senhores doutores ou simples operários. Mas, lamentavelmente são os titulados, mesmo os "precários" que são bajulados. E já reparaste Maria como nesses momentos pseudo áureos ficam todos inchados, até mete impressão tanta gordura branca.
    Deixo um beijo para ti, Maria de Abril:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Irrita-me esse jogo de troca de favores e de pequenos poderes.

      Beijos, querida Sandra. :)

      Eliminar
  8. Boa prosa. Só entre nós, que ninguém nos ouve, onde é que a Maria tem isto publicado?
    Pagando bilhete M.ª do Carmo tinha direito a dois espectáculos. Sabidona, à coca (golpe de vista)!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas palavras sempre tão simpáticas, Agostinho!

      Beijos. :)

      Eliminar
  9. Eu adoro ser bajulada,em privado só:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E só por pessoas devidamente autorizadas! ;)

      Beijo, Til. :)

      Eliminar