domingo, abril 26, 2015

Pelo São João


(Richard Tuschman inspirado em Edward Hopper)

Entristecera sem remédio, Maria do Rosário. Deram-lhe a beber chás, prescreveram-lhe anti-depressivos, levaram-na ao cinema, a concertos, a passear na praia... Nada lhe fazia brilhar os olhos como antes de António Carlos lhe ter sussurrado palavras de amor. 
Tinha sido por altura do São João. O rapaz tinha garbo e sabia como falar ao coração de uma mulher. Ela, que tanto se fechara às questões do amor, abriu-lhe primeiro uma fresta da janela, para pouco depois lhe escancarar a porta. Foi um namoro breve. Nem ela soube o quão breve, de entretida com os sonhos. Ficaram-lhe os papelinhos onde escrevera os nomes de homem para deixar numa bacia de água, no beiral da janela, durante a noite de 24 de junho, de modo a que São João fizesse abrir aquele onde se lesse o do seu amor verdadeiro. Fizera, porém, batota, com medo do resultado, e nos seis pedaços de papel, escritos a tinta indelével, lia-se ora António, ora Carlos. Mal ela sabia que São João é um santo muito atento. No dia 25, pela manhãzinha, quando foi espreitar a bacia, nenhum dos papéis se tinha desdobrado.


20 comentários:

  1. António Carlos ou António e Carlos? Tenho estado aqui a pensar e não chego a qualquer conclusão... a Maria tinha um ou dois namorados?
    Não acredito que o São João seja polígamo...
    Beijo e boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O rapaz tinha dois nomes próprios, assim, seria António, Carlos ou António Carlos, tanto fazia. ;)

      Beijos, Ricardo. :)

      Eliminar
  2. Querida Maria Eu,
    A batota da monogamia. Trapaça típica das apaixonadas do Rosário.
    Beijos,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será, Ente?

      Beijos, meu caro, e uma boa noite. :)

      Eliminar
  3. Passando para conferir as novidades. Belo texto!...
    AbraçO

    ResponderEliminar
  4. Sabes? Nessa coisa de amores rápidos sou um nabo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amores rápidos são pouco recomendáveis, dizem.

      Beijos, Rogério. :)

      Eliminar
  5. Viu? Não podemos trapacear!
    Parabéns!
    Vc conseguiu uma foto magnífica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Trapaça é coisa para nos trazer problemas. :)

      Beijos, Arnaldo. :)

      Eliminar
  6. Os seres humanos são seres complexos, com curiosidades sexuais e sensuais abundantes...esperemos pelo segundo parecer de São João Baptista !:

    Boa semana, Maria! :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais do que complexos, caro Legionário... Eu que o diga que não me entendo tantas vezes.

      Beijos. :)

      Eliminar
  7. Não desfazendo no São João a Maria do Rosário devia ter deixado o assunto ao cuidado do Santo mais casamenteiro de que há memória -
    Sto.António!
    ;)
    Beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A rapariga baralhou-se, se calhar! ;)

      Beijos, Té. :)

      Eliminar
  8. Até as batotas inocentes são sancionadas!?
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois são, Agostinho, não sabias?

      Beijos. :)

      Eliminar
  9. Pecados de amor serão desculpados? Neste caso parece que não, por isso Maria do Rosário estava deprimida...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho que lhe relevam o pesadelo. :)

      Beijo, GM. :)

      Eliminar