sábado, abril 18, 2015

Laranjas



Maria do Carmo costumava sentar-se debaixo da laranjeira, nos dias soalheiros. Muitas páginas leu e muitos sonhos a embalaram à sombra daqueles ramos de onde pendiam laranjas doces, de umbigo. Quando tinha sede, estendia o braço e colhia uma, descascando-a com os dedos e comendo-a, gomo a gomo, deixando o sumo correr na garganta enquanto mastigava a polpa.
De vez em quando, parecia que uma laranjeira lhe nascia no peito, e que o seu corpo tinha raízes, ramos e frutos, pronto a abrigar , proteger e matar a sede a quem à sua sombra se viesse sentar.

Nota: Na laranjeira, havia pássaros, tal como no peito de Maria do Carmo.


23 comentários:

  1. Quando fui árvore tive esse mesmo sentimento, cá dentro
    o resto foi como já te contei

    ResponderEliminar
  2. Ser árvore faz de nós mais fortes.

    Beijo, Rogério, e bom fim-de-semana. :)

    ResponderEliminar
  3. Não fossem as raízes e os ramos que crescem em nós e o vento já nos teria arrancado do chão :)
    Beijos Maria :)

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. É frondosa e dá laranjas doces.

      Beijos, MA.

      Eliminar
  5. Tão sábia rapariga, a Maria do Carmo que bem sabe o quanto faz bem em sentar-se debaixo da laranjeira =)
    E mais ainda: aprender com ela a criar raízes, expandir ramos e gerar frutos - precisamos tanto de frutos doces e sumarentos! - e também abrigar pássaros para nos cantar nas manhãs da vida.

    bjn amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma aprendizagem de vida.

      Beijos, Carmem. :)

      Eliminar
  6. Tenho várias laranjeiras assim...
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então, senta-te debaixo de uma, e deixa a imaginação voar.

      Beijos, Ricardo. :)

      Eliminar
  7. Ai Maria, só ás Marias reconheço o poder da metamorfose. Gostei muito da tua Maria do Carmo Laranjeira :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que ela está a preparar-se para florir. As laranjas começam, agora, a perder o sumo para dar lugar às flores.

      Beijos, Sandra, e obrigada. :)

      Eliminar
  8. Perdi a minha 'laranjeira' há algum tempo, a minha mãe, o meu porto de abrigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :( Fica a recordação. É pouco, bem sei.

      Abraço apertado, Maria.

      Eliminar
  9. Gostei do texto e da música do João Sebastião !

    ResponderEliminar
  10. E que perfume soltava Maria que não se sabia se de seus cabelos ou das flores que a laranjeira para ela abria.
    Beijinhos Maria!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A flor de laranjeira tem um perfume muito peculiar, doce.

      Beijos, Luís. :)

      Eliminar
  11. Maria do Carmo, fresca, doce, perfumada. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E com pássaros no peito, Luísa. :)

      Beijos. :)

      Eliminar
  12. Uma laranjeira da Bahia, de fruto-mel. Por isso havia pássaros a chilrear como se fosse uma gaiola de janelas abertas. Os pássaros precisam de respirar. A M.ª do Carmo suspirava. E as formigas não vinham ao mel?
    Boa noite, Maria. Atrasado, recompus as asas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre dono de palavras gentis, Agostinho. Obrigada.

      Beijos. :)

      Eliminar
    2. Sempre dono de palavras gentis, Agostinho. Obrigada.

      Beijos. :)

      Eliminar