segunda-feira, abril 06, 2015

Procura-me


Aqui não precisas de me procurar
para me encontrares, que eu estou,
omnipresente, em todo o chão que pisas,
duplicando a tua sombra,
deixando um rasto de brisa,
um aroma de urze na marca dos teus passos.
Com esta roupa visitaremos os pátios,
os átrios de dança e do encantamento.
As nuvens aninhadas atrás da lua,
na olorosa paz da madrugada,
são o mapa das errâncias da fala
enquanto o coração, indefeso, capitula.


José Jorge Letria, in "Capela dos Ócios"



(Ana Barros)

Procura-me aqui, sempre,
porque aqui me encontrarás,
sendo que aqui é em toda a parte,
os meus olhos buscando os teus
luzindo íntimos desejos.
E os nossos olhares, juntos,
acariciarão praias de areia clara 
em dias de marés vivas.
Gaivotas cruzando o céu azul.
húmidas da rebentação branca,
indício de gritos emudecidos
pelo coração, abafado no peito.

Maria Eu

22 comentários:

  1. Com alguém disse um dia "escrever bem é uma arte, um dom, uma inspiração, um talento natural". E tu tens isso tudo!
    Parabéns

    ResponderEliminar
  2. Tenho cá para mim, que já te encontrou :)
    Lindo, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Encontrou, sim.

      Beijos, Sandra, e obrigada. :)

      Eliminar
  3. Poesia marítima, de um azul maior, e tão bonito o seu poema, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mar é uma imensa inspiração.
      Muito obrigada, G.

      Beijos. :)

      Eliminar
  4. Por cada dia que se passa é uma diferente maresia.
    Cada dia um novo conto ou uma nova poesia.

    Boa semana, Maria!:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :))))

      Boa semana, Legionário, e um beijo. :)

      Eliminar
  5. Estou convicta que já te encontrou :)

    ResponderEliminar
  6. Tão bonito! A poesia, a foto e a melodia.
    Obrigada por este momento amiga Maria.

    beijinho com carinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata, Fê! :)

      Beijos, esperando que tenhas tido um excelente aniversário. :)

      Eliminar
  7. Maria, virei sim, aqui, a esta praia
    onde há carícias a contornar redondos
    e "gaivotas húmidas da rebentação branca".

    Gostei muito do poema, nota-se? Parabéns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu terei muito gosto em receber-te!
      (obrigada)

      Beijos, Agostinho. :)

      Eliminar