terça-feira, setembro 11, 2018

Fuga


Pretensamente, ao cruzar a soleira da porta, atravessava a fronteira da dor. Estranhamente, essa dor não ficara para trás, naquele lugar onde adivinhava/sabia uns ombros frágeis a agitarem-se em soluços, um olhar a arder nas suas costas, como que adivinhado o colapso interior, o sentimento de culpa a apunhalar-lhe o coração.


quinta-feira, setembro 06, 2018

Nudez





Dizem-se do coração, de como galopa a um olhar, de como sangra a cada ausência.
Encantam-se do toque, a um tempo levíssimo e a outro intenso, de como arde.

Despem-se de si para não serem senão eles.