segunda-feira, abril 27, 2015

Força


(Edward Hopper)

Primeiro foi o cansaço, insidioso. Depois veio uma agonia, um aperto no peito. Agonizava, exausta, incapaz de um queixume. Forte até ao suspiro final. E, porém, ninguém a viu morrer. Aparentemente, respirava, movia-se, alimentava-se, falava, e comportava-se em tudo como se não fosse um cadáver. Houve até quem dissesse que fora passar férias numa casa com porta directa para o mar.


22 comentários:

  1. Poderia jurar que ontem me barraram a entrada. Provavelmente para não me precipitar no mar.
    Com esse sol ninguém morre. Reencarna.
    Beijos,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quase desapareceu, a entrada.
      Faz falta, o sol.

      Beijo, caro Ente. :)

      Eliminar
    2. Que não te falte nada Maria eu :))

      Eliminar
  2. Provavelmente afastou-se do mundo para um lugar tranquilo...

    ResponderEliminar
  3. Por vezes é isso...

    Esforçamo-nos por abrir uma determinada porta, só para mais tarde, nos afogarmos num mar que não conseguimos vencer.

    Ninguém vence o mar!

    Beijinhos Maria Tu ****************

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há quem vença, pequeno.

      Beijos muito amigos. :)

      Eliminar
  4. Algo, melhor, alguém, a mantém do lado de cá da porta. E eu acredito na ressurreição, ainda e sempre do lado certo do mar :)

    (Bonita a tua casa, vale a pena regressar)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu és um homem com a força da vida sempre a transbordar. :)

      Beijos, Ness, e obrigada. :)

      Eliminar
  5. Maria, tenho andado desencontrado, não é verdade? Mas aconteceu que me foi negada a entrada quando o pretendia fazer. E fiquei a pensar...
    está visto, fui jogado borda fora!
    Encontro a razão na Força. "Naquela janela virada pró mar".

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca serias jogado borda fora. A porta que dá para o mar é que esteve fechada (quase que para sempre...).

      Beijos. :)

      Eliminar
  6. Nem sempre o que se vê do lado de fora, corresponde ao que acontece do lado de dentro. Fazer de conta que não dói, é a mascara que o corpo oferece à alma para enfrentar o dia a dia com mais leveza. Mas até quanto tal peso se suporta? As pausas são uma necessidade e não um luxo de vida.
    Gostei muito, Maria.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São as nossas máscaras. Talvez sem elas tudo fosse ainda mais difícil.

      Beijos, Sandra, e muito obrigada. :)

      Eliminar
  7. A agonia pode ser tão invisível e no entanto tão forte.
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sentida apenas por quem sofre.

      Beijos, JT . :)

      Eliminar
  8. A morte interior é tão silenciosa que ninguém repara nos estragos que faz .
    Beijos Maria :)

    ResponderEliminar
  9. As portas quando fechadas têm a função de ocultar, isolar, esconder...
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez por isso a porta para o mar.

      Beijo, GM. :)

      Eliminar
  10. Querida Maria,
    Gostei muito do texto. É uma mensagem global,quero dizer serve para o mundo inteiro. Para todos que precisam fazer uma viagem além do seu ser.
    AbraçO

    ResponderEliminar