domingo, fevereiro 01, 2015

Houvesse um colo


(Lars Theuerkauff)

Se eu pudesse dizer-te: - Senta aqui
nos meus joelhos, deixa-me alisar-te,
ó amável bichinho, o pêlo fino;
depois, a contra-pêlo, provocar-te!
Se eu pudesse juntar no mesmo fio
(infinito colar?) cada arrepio
que aos viajeiros comprazidos dedos
fizesse descobrir novos enredos!
Se eu pudesse fechar-te nesta mão,
tecedeira fiel de tantas linhas
de tanto enredo imaginário, vão,
e incitar alguém: - Vê se adivinhas...
     Então um fértil jogo amor seria.
     Não este descerrar a mão vazia!

Alexandre O'Neill




Houvesse um colo, uns dedos em harpejo
Houvesse um corpo aberto a outro corpo
Um arrepio comum, correndo como um rio
Fluindo, lesto, até à foz, feito desejo...

14 comentários:

  1. Há sempre um colo
    Nem sempre o encontramos
    como o sonhamos

    O´Neil é meu irmão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há, nem que não seja para nós, esse colo.

      Beijos, Rogério! :)

      Eliminar
  2. Um colo, um arrepio comum, uma mão entrelaçada, a pele na pele e tudo será sempre tão mais fácil...

    ResponderEliminar
  3. A vida será sempre curta..., mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
    Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
    E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida!

    Boa semana, Maria:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Colo. Desde que nascemos é o nosso consolo.

      Beijo, Legionário! :)

      Eliminar
  4. Um arrepio comum, raro mas possível.
    Beijo Maria.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E quando acontece, é para lá de extraordinário, ainda que não dure! :)

      Beijo, SD! :)

      Eliminar
  5. Excelente, como sempre, este grande que foi Alexandre O'Neill. O alemão Lars Theuerkauff não conhecia. Fui bisbilhotar e gostei do que vi. Os Procol Harum vi-os ao vivo em Cascais, no Pavilhão do Dramático em Cascais para apresentrem o seu álbum "Grand Hotel", por isso depois do 25 de Abril, já que o álbum é de 1973. Mas O'Neill destaca-se deste teu post pela sua genialidade. Muito bom Maria !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Ricardo, apenas juntei os três. :)

      Beijos. :)

      Eliminar
  6. Quem dá recebe e quem recebe dá.
    A Maria marcou encontro com o bom gosto e resume tudo numa quadra sublime.
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Agostinho! (corei)

      Beijinhos. :)

      Eliminar