domingo, fevereiro 15, 2015

O meu pai

(Jorge Pinheiro)




Cresci a adorar o meu pai. Homem bonito e tisnado pelo sol de quem se dizia quebrar corações em rapaz.Marcado por uma infância na qual não faltou comida na mesa mas que também não foi parca em trabalho, nunca foi de muitas palavras. 

Aos 9 anos já abandonara a escola com a 3ª classe, escolaridade obrigatória num país de analfabetos. Nunca gostara da carteira onde o sentavam frente aos cadernos nem da professora que marcava as pernas dos meninos com vergões de canas que eles mesmo lhe levavam, do canavial. Tantas e tantas vezes ficava pelo caminho a jogar futebol com os mais velhos ou a ajudar um e outro a cuidar dos animais no pasto. Esses atrasos valiam-lhe a fúria da mãe, mulher de "pêlo na venta", e muitos castigos.
Muito mais tarde, filhas crescidas, foi fazer o exame da 4ª, numa manhã envergonhada, em outra cidade, não fora alguém saber (eu soube-o pela minha mãe, já adulta, em muito segredo). Conheci-o sempre a trabalhar, numa jorna longa, sem nunca faltar um dia, mesmo doente. De uma rigidez que fazia questão de aplicar a ele mesmo para depois o fazer aos outros, os elogios aos seus eram guardados no peito e as críticas ferozes e públicas.Vi-o envelhecer a trabalhar até lhe dizerem que não dava mais para ficar e também o vi engolir as lágrimas por isso. Nunca teve jeito para as palavras. Escrevi-lhe as que proferiu na despedida aos que o tinham acompanhado nas horas longas de trabalho.
Olho-o agora, um homem de rosto enrugado e triste, encolhido no sofá, a falar do pouco tempo que lhe resta e a fazer as mesmas perguntas repetidamente. Só lhe brilham os olhos ao olhar filhas, netos e bisnetos.
Ontem, segurava-me pela mão para que os meus passos se fizessem fortes enquanto me ensinava que o céu é azul. Hoje, pego-lhe na mão e lembro-lhe que o céu pode ser azul e não cinzento, como o pinta nos seus dias de memórias cada vez mais difusas.



32 comentários:

  1. Diz que lhe envio um abraço fraterno
    Se te perguntar quem sou, diz-lhe ser eu alguém que se julga irmão de todos os homens bons

    (lindo o vídeo)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Abraços, dou-lhe sempre muitos!

      Beijos, Rogério! :)

      Eliminar
  2. Que bom ainda teres pai...Eu já não tenho!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade. Mas custa muito vê-lo definhar.

      Beijos, Til! :)

      Eliminar
  3. "Hoje, pego-lhe na mão e lembro-lhe que o céu pode ser azul e não cinzento, como o pinta nos seus dias de memórias cada vez mais difusas."

    Maria, faço minhas estas suas palavras!:)

    Boa semana:))

    ResponderEliminar
  4. A intensidade de uma vida e das que ela tocou descrita de forma tão tocante. Fiquei comovido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dói...

      Beijinhos, Luís, e obrigada pela presença! :9

      Eliminar
  5. Um texto comovente, soltei uma lágrima de emoção.
    Bem hajas Maria, mulher e filha linda.
    Um beijo para ti e um carinho para o teu pai.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Sandra. Pai é sempre alguém especial.

      Beijos. :)

      Eliminar
  6. Ah, Maria,
    O difícil nem é morrer, mas ver/sentir o corpo não responder ao comando, e ir morrendo aí, aos poucos, numa tortura sem outra equiparada. Tão difícil é morrer em vida, que se limite a um respirar cansado, a umas poucas, raras visões de vida para lá de nossa catacumba que é esse corpo moribundo. Sim, o céu pode ser azul e ter até todas as cores da paleta, de que me vale, se não seguro com firmeza o pincel para pintar minha tela?

    Que nos valha, pessoas que nos amem verdadeiramente, e, como a Maria, nos segurem a mão.
    um bj amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O amor é que nos ampara sempre, Carmem. Mas, sim, o difícil não é morrer.

      Beijos. :)

      Eliminar
  7. E depois de ler esta homenagem linda, as lágrimas escorreram.
    Um beijo Maria :)

    ResponderEliminar
  8. tivesse eu o meu pai vivo, e creio que lhe dedicaria a mesma ternura! assim, envio-lha em silêncio, ou sussurros muito pequeninos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, desabafosemrodapá!

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  9. Texto lindo como a autora :)

    Beijinho grande Maria Tu :)

    ResponderEliminar
  10. Não tenho palavras, deixei que as lágrimas mostrassem o que senti ao ler o teu texto de amor puro. Lindo e sentido.
    Bem haja Maria. Beijo

    ResponderEliminar
  11. Abraço-o por mim! Coisa que gostaria de voltar a poder fazer ao meu... :)

    ResponderEliminar
  12. Que lindo Maria. Guardei o dia de hoje para ler o teu texto sobre o teu pai. Fiz bem.
    Percebi-o e percebi-te.
    Um abraço num novelo de lã muito quentinha, porque há pessoas que precisam é de calor no coração.
    Como o teu pai.

    ResponderEliminar
  13. o seu pai sempre falou
    não havia era palavras
    para dizer o mar profundo
    o medo todo do mundo
    a água toda que o cegou

    não lhe largue a mão
    para que sinta sua menina
    cante-lhe à noite a canção
    .

    Gostei muito da partilha, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quisera poder nunca largar-lhe a mão, Agostinho!
      (obrigada)

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  14. O meu pai não o levo pela mão, mas vai comigo para todo o lado... no coração.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O coração é o melhor dos lugares...

      Beijo, Rui! :)

      Eliminar
  15. É um sentimento tão duro que é muito difícil expressá-lo assim, de uma maneira tão maravilhosa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O amor adoça-nos as palavras.
      Obrigada, Cuca! :)

      Eliminar