sábado, janeiro 03, 2015

O meu amor


(E. Munch)



O meu amor é um ribeiro; agitado, intenso, em correria quase pueril.

O meu amor é o vento norte; forte, em rodopio, agreste e devastador.

O meu amor é o sol de Verão; luminoso, quente, a arder na pele.

O meu amor é a chuva de Inverno; copioso, penetrando-me o corpo até aos ossos.

O meu amor é sorrisos, lágrimas, ternura, mãos trémulas, ciúme, paixão, coração em tropel, "(in)completude". O meu amor é assim porque é só meu e assim o sinto, apenas eu.




15 comentários:

  1. O meu é em tudo igual ao teu
    Até no facto de o teu ser teu
    e o meu ser só meu

    Roberto e Polina
    o ilustram tão bem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada amor é único e sentido de forma também única e irrepetível.

      Beijinhos, Rogério! :)

      Eliminar
  2. O amor é “completude” apesar das diferenças...:)

    Bom Domingo, Maria:)

    ResponderEliminar
  3. Amor pode rimar com dor.
    E o título de propriedade
    pode soar a fragilidade?

    ResponderEliminar
  4. Sim, quando é correspondido, é "completude".

    Beijinhos, Legionário. Espero que tenhas aproveitado o maravilhoso sol que iluminou a "tua" praia, hoje. :)

    ResponderEliminar
  5. Esse é o teu, mas o meu é tal e qual. É assim o amor da gente :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos os amores devem ser assim. :)
      Beijinhos, Gaja Maria, e um ano cheio de boas pedaladas! :)

      Eliminar