sexta-feira, março 06, 2015

Viajar


Desde pequena que lhe sobrava uma ânsia de partir. Quis saber, primeiro, como era o mundo. Levaram-na da casa com a varanda decorada a begónias para dormir num salão onde se perfilavam camas de ferro de um acanhamento só irmanado pelas mulheres que lhe ditavam as horas de deitar e levantar, vigiando-lhe os gestos diários. Aprendeu que nunca se obedece quando a liberdade periga. Pode-se, quando muito, fingir obediência enquanto se estudam formas de a boicotar.
Partiu, a seguir, para experimentar o sol a qualquer custo, em leituras pela noite fora. Todas menos as obrigatórias. 
Num Verão encontrou-se com a Língua Portuguesa de manhã até à noite, fechada, agora por vontade sua, com as palavras a sufocarem-lhe a voz e a esmagarem-lhe o peito de emoção.
Levava livros abraçados para a cama, ainda que fossem os que antes tinham sido obrigatórios.
Caía-lhe, então, o mundo em catadupa, na estreiteza do leito, alargando-lhe o horizonte para lá de todas as paredes, reais ou imaginárias.


12 comentários:

  1. E de repente revi-me na infância alargando horizontes na estreiteza do leito mas que abarcava todas as histórias que lia.E tantas foram.
    Magnifico texto Maria.
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há muitos leitos estreitos onde se ampliaram horizontes. :)
      Muito obrigada, SD!

      beijo. :)

      Eliminar
  2. (Bonito, isto!
    e nisto me inspiro
    e declaro
    e mando publicar
    "A partir de agora
    toda a leitura é obrigatória")

    Está dentro de parêntesis
    por não ter poderes para tal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Rogério. Emocionei-me.

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  3. Fizeste-me lembrar tantas horas agarradas a livros e a histórias que me levaram para tantos mundos desconhecidos.
    Não há melhor companhia do que as palavras :))
    Beijos e bom fim de semana Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há, sim, I! As palavras ditas pela pessoa certa! :P

      Beijo, querida. :)

      Eliminar
  4. O hábito de ler sempre nos traz inúmeros benefícios, isso é indiscutível. Uma boa leitura estimula o nosso cérebro, a nossa imaginação, enriquece o nosso vocabulário e facilita a nossa compreensão do mundo e de nós mesmos.

    É incompreensível esse sedentarismo intelectual por parte da geração mais “nova” e não só…

    Maria, ler é viajar sem sair do lugar, voar sem ter asas, caminhar sem tirar os pés do chão, sonhar acordado, navegar em mar um de palavras, soltando a imaginação!

    Bom Fim de Semana, Maria :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São as viagens que nos despertam todos os sentidos.

      Beijinhos, Legionário, e um excelente fim de semana. :)

      Eliminar
  5. Boa tarde, a infância regressou a o ler o belo texto.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Recordações.

      Beijinhos, AG, e obrigada. :)

      Eliminar
  6. Se ler é um dos prazeres da vida a escrita é uma paixão dobrada. A aventura e a fantasia ultrapassam todas as barreiras físicas. "Não há machado que corte..."
    Parabéns Maria, o texto é perfeito; e fez-me recordar uma estória "era uma vez uma menina" que queria ter asas para voar.
    BFS. Com sol!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Agostinho, pelas tuas sempre amáveis palavras.

      Beijinhos. :)

      Eliminar