segunda-feira, março 30, 2015

Cegueira(s)

(sarahannloreth em deviantart)


Cegueira de Olhos Abertos


A cegueira que cega cerrando os olhos, não é a maior cegueira; a que cega deixando os olhos abertos, essa é a mais cega de todas: e tal era a dos Escribas e Fariseus. Homens com os olhos abertos e cegos. Com olhos abertos, porque, como letrados, liam as Escrituras e entendiam os Profetas; e cegos, porque vendo cumpridas as profecias, não viam nem conheciam o profetizado. 
(...) Esta mesma cegueira de olhos abertos divide-se em três espécies de cegueira ou, falando medicamente, em cegueira da primeira, da segunda, e da terceira espécie. A primeira é de cegos, que vêem e não vêem juntamente; a segunda de cegos que vêem uma coisa por outra; a terceira de cegos que vendo o demais, só a sua cegueira não vêem. 

Padre António Vieira, in "Sermões"



Somos, por estes dias, um mundo de cegos. A nossa cegueira parece manifestar-se em todas as três espécies, agudizando-lhe os efeitos. Foge-se da "responsabilidade de ter olhos quando os outros os perderam", como dizia Saramago, talvez porque ver traz responsabilidades mais fundas.

7 comentários:

  1. Estamos no tempo da especialização. Especialista, perito toda a gente o quer ser seguindo a doutrina dos novos fariseus. É vê-los nos media senhores da sua imensa sabedoria. O grande bazar aberto em permanência. Só vêem o que lhes interessa. A "cegueira" deles reflete-se na surdez do povo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tanto que o estamos a pagar, Agostinho!

      Beijo. :)

      Eliminar
  2. No entanto, então, como hoje, temei o homem de um só livro.
    Beijos,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre, Ente! Homem de um só livro deve, não só, ser temido, como combatido. Mas para o fazer, temos que ver.

      Beijos. :)

      Eliminar
  3. A inteligência é o contrário da sabedoria: é a dúvida. É saber quais são as coisas das quais se pode (e não apenas se deve) duvidar. A inteligência é saber receber de neurónios abertos o prazer de nunca poder saber ao certo.
    Quanto mais se vive e se pensa mais se vê que a estupidez se cola à certeza. Quando a certeza dá jeito, simplifica e elogia quem.
    A estupidez era considerada como uma ligeira e aleatória deficiência: compreendida, aceite e descontada.
    Hoje é vista como uma espécie de inocência: como se a cegueira fosse uma prova física da falta de facciosismo no que toca à escolha das melhores cores e luminosidades!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ver, claramente visto, não é para qualquer um.

      Beijos, Legionário. :)

      Eliminar