quarta-feira, março 25, 2015

Intensidade

(François Boucher)


Maria Antónia amava tanto, com tamanha intensidade, que matava todos os amores.


20 comentários:

  1. O amor desconhece de todo a sua própria intensidade. A culpa não é de Maria Antónia, portanto.

    Boa tarde, Maria Tu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez. Pobre Maria Antónia.

      Beijo, JM. :)

      Eliminar
  2. Maria, só um mundo de amor em sua plena intensidade pode durar a vida inteira. E valê-la também! :)

    ResponderEliminar
  3. tudo o que é em excesso torna-se doentio.

    bj doce

    ResponderEliminar
  4. Há-as assim. Em tudo o que tocam queimam. Até involuntariamente.

    ResponderEliminar
  5. Amava?
    Boa tarde, querida Maria.
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
  6. Matar o amor nem sempre é mau. Alguns renascem das cinzas :)
    beijos Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso não acredito nisso, I. Amor que morre, não ressuscita.

      Beijo. :)

      Eliminar
  7. Engraçado é que há quem diga que gosta de intensidade e depois se assuste com ela...Pessoas*

    ResponderEliminar
  8. Maria Antónia é uma mulher especial. Quem ama assim não mata, fica entranhada na pele e na alma de quem não tem capacidade de amar na mesma proporção e na mesma medida.
    Gosto da Maria Antónia e de ti também, Maria ;)
    Beijinho grande.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sandra, acho que tenho que mandar este comentário à Maria Antónia. Ela precisa de ânimo.
      Obrigada! Também gosto de ti! :)

      Beijos. :)

      Eliminar