quarta-feira, março 11, 2015

Reflexo

(Chris Hankey)


"Já não acredito em margens. E para quê levantar a cabeça, quando o céu está podre e não me sobra alma para cartografar a luz que se passeia, melancólica, pelas moradas antigas nos postais dos mares do sul. Vivemos de coordenadas fixas: não partimos sem destino, não buscamos sem gps, não nos perdemos. Também não nos encontramos. O tempo, hoje, não dura sequer uma estação. Repete-se (revende-se?) em décimas de segundo, recordes, episódios, temporadas, turnos, contratos, gerações, moedas que caem na ranhura do hábito em troca da canção errada. Vendi as lembranças já não me lembro a quem, cortaram os subsídios para o presente, ando a pagar os sonhos a prestações. Mas amo quem me ofusca e acentua depois a escuridão dentro de mim - uma espécie de fogo a crédito. Roubado."

in Revista Cão Celeste n.º2



De vez em quando, não somos senão o reflexo da luz intensa de alguém, iluminação provisória e perecível. Sós, fica a escuridão.

16 comentários:

  1. Percebes uma das razões que me levou a dar o nome de 'Reflexos' ao meu blogue?
    Beijinho, Maria Eu :-)

    ResponderEliminar
  2. Maria, o mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos, a maneira como encaramos a vida é que faz toda a diferença, caso contrário passaremos o resto da vida sendo um pálido reflexo da luz alheia! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com garra, não é? :)

      Beijos, Legionário. :)

      Eliminar
  3. Gosto de pensar que cada um de nós tem luz. Quando existe esse reflexo a luz brilha mais :)
    beijinhos Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma bela forma de pensar. :)

      Beijo, I! :)

      Eliminar
  4. Querida Maria,
    Depois passa, a rosácea aparece e o dia acontece. Os reflexos não nos esgotam... as reflexões idem.
    Beijos,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não nos esgotam e ainda bem, Ente.

      Beijos. :)

      Eliminar
  5. ___ ░██████░_ ░██████░
    __░██▓░░▓██__██▓░░▓██░
    _░██▓░░░░▓███▓░░░░▓██░
    _░██▓░░░░░░█░░░░░▓██░
    __ ░██▓░░░░░░░░░▓██░
    ____░██▓███░░░███▓██░
    __ ░██▓░░▓██░██▓░░▓██░
    _░██▓░░░░▓███▓░░░░▓██░
    __ ░██▓░░░░░░░░░░░▓██░
    ____░██▓░░░░░░██░▓██░
    ______ ░██▓░░░░██▓██░
    ______ ███ _██▓███▌██▌
    ______███______████▐██▌
    _____████___████▐████▐██
    ___██████████▐████▐███▌
    __███████████████▐███▌
    █▐██████████████▐███
    ██████▐█████████
    ███████.............................★MaRiBeL★

    ResponderEliminar
  6. A lua não tem luz
    são reflexos que reproduz
    é por isso que nos seduz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sedução, essa estranha conquistadora! ;)

      Beijos, Agostinho. :)

      Eliminar
  7. "De vez em quando, não somos senão o reflexo da luz intensa de alguém,"
    Sim, e depois?
    "iluminação provisória e perecível."
    Sim, e depois?
    "Sós, fica a escuridão."
    Sim, e é esse o sentimento válido que fica desse seu escrito. É a partir dele que procuramos o outro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)))) Rogério, as tuas palavras mostram bem a tua luz!

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  8. Este texto é forte, magnífico, mas duro.
    Sim, de vez em quando-muitas vezes somos o reflexo de luz de outro, e muitas vezes nos apercebemos que estamos sós e num breu, e não é bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo plenamente contigo.

      Beijinhos, Carmem. :)

      Eliminar