sábado, março 21, 2015

Em reconstrução


Viver

Mas era apenas isso,
era isso, mais nada?
Era só a batida
numa porta fechada?

E ninguém respondendo,
nenhum gesto de abrir:
era, sem fechadura,
uma chave perdida?

Isso, ou menos que isso
uma noção de porta,
o projecto de abri-la
sem haver outro lado?

O projecto de escuta
à procura de som?
O responder que oferta
o dom de uma recusa?

Como viver o mundo
em termos de esperança?
E que palavra é essa
que a vida não alcança?


Carlos Drummond de Andrade, in 'As Impurezas do Branco'





Em reconstrução. Viver tem custos inesperados.

14 comentários:

  1. Pois tem. Mas sempre se vai arranjando uns trocos para sobreviver.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sobreviver não chega, pois não?

      Beijo, Luísa. :)

      Eliminar
  2. Não são custos,
    são investimentos
    Não há despesa que se lance
    na conta dos sentimentos

    ResponderEliminar
  3. Ahh querida.. eu como uma boa saudosista achei incríveis suas palavras..
    Já estou te seguindo... fica um carinho. AbraçO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nidja, obrigada! Ando um pouco arredia mas irei visitar-te.

      Beijo. :)

      Eliminar
  4. Pois tem. E parece que vêm sempre nas piores alturas.
    Bom Domingo,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar

  5. Viver tem mais de "income" do que "expenses"...
    Não podemos ter medo de viver a vida plenamente...
    Não devemos fechar a porta àquilo que ela nos dá...

    Por Amor, tudo vale a pena... tudo vale a pena ser vivido.

    Beijos no teu ♥
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu és uma mulher doce, Afrodite. Viver é o que é, melhor ou pior, temos que aguentar.

      Beijos, minha amiga. :)

      Eliminar
  6. Maria a vida tem “graça” não tem?
    A vida tem graça. Nós temos graça. É engraçado estarmos todos aqui neste cantinho à beira mar plantado... A incerteza geral da existência, aliada à certeza particular do facto de termos nascido e de irmos um dia esticar o pernil, é de morrer a rir... Entre outras coisas. Já que nos puseram aqui, indispostos ou nem por isso, mal distribuídos, condenados à confusão e à companhia dos outros...ou não, o mínimo que podemos fazer é pormo-nos o mais bem dispostos que pudermos!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)))))) Obrigada pela tua presença constante. Obrigada pelo teu ânimo!
      A blogo tem coisas boas, afinal, não é?

      Beijos, Legionário. :)

      Eliminar
  7. E às vezes bem mais altos do que aquilo que podemos suportar... (há que pedir um aumento ;) )
    Um beijo Maria (Tu), e uma boa semana (de reconstrução, ou não)

    ResponderEliminar