segunda-feira, março 16, 2015

Poesia

(Alessandro Dotti)

Quero ver para além do óbvio.




Pinto muitas telas 
  Odes delirantes 
    Estrofes assonantes 
      Sonetos com janelas 
        Ilhas onde há flores 
         Ardentes amores

16 comentários:

  1. Letras como cores. Arte na poesia. Em tudo delírio.
    Bom dia.
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
  2. Ontem lembrei-me desse filme, "o captain my captain...",
    A poesia, dia a dia, dá-nos outra alegria, não é assim, Maria?
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jovens, em rebeldia poética.

      Beijos, Rui. :)

      Eliminar
  3. A poesia não quer "adeptos", quer amantes! :))

    ResponderEliminar
  4. É curioso, nunca associaria
    esta cena à poesia

    http://conversavinagrada.blogspot.pt/2014/01/dicas-do-bruno-i-da-praxe-e-do.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas aqui o espírito é diverso, O professor que leva aos seus alunos a liberdade de pensar, de não cumprir as regras absurdas que em nada os fazem crescer como pessoas. Esta cena tem que ser contextualizada no todo do filme.

      Beijos, Rogério. :)

      Eliminar
    2. Mas é exactamente a isso que eu liguei a cena, ao inconformismo e contra a formatação da obediência...

      Eliminar
  5. Pintas telas maravilhosas que fazem sorrir :)
    Lindo Maria :)
    Beijos

    ResponderEliminar
  6. Eu que vim aqui (ontem)
    para deixar uma flor
    e quebraram-me a fibra
    ficou a ausência
    fiquei com a dor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como assim? É apenas poesia ou aconteceu mesmo, Agostinho? O blogger anda meio estranho...

      Eliminar
    2. Anda mesmo, Maria.
      Será do eclipse que aí vem ?

      Eliminar