sexta-feira, dezembro 26, 2014

Terminar um conto


( Eva Navarro)

"Talvez nada tivesse acontecido se ela não começasse a reler Jane Eyre .
(...) Se eu soubesse que tu vinhas, tinha apanhado rosas... A casa está cheia de rosas.
(...) Ele continuara a desenhá-la, a pintá-la todos aqueles anos.  (...) 
Sentiu vontade de rir. Mas era porque tinha medo, muito medo.
Eu vou-me embora amanhã de manhã.
Ele sorriu.
Já disseste isso três ou quatro vezes.
Eu sei.
Ela sentou-se no sofá. Ele ajeitou as almofadas à sua volta, como fazia antigamente. Depois pegou na garrafa de vinho que estava em cima da mesa e encheu dois copos.
Mas ficas aqui esta noite.
Está bem.
Ele tirou um disco da estante, um velho disco de vinil. Chopin.
(...) De repente, ela teve a impressão de que adormecera durante alguns segundos. Mas não podiam ter sido só uns segundos. A noite já chegara e não se via nada do outro lado da janela.
O medo voltou, mais forte do que nunca.
Acho melhor ir embora.
Ele sorriu.
Tu ficas aqui.
Ela levantou-se. E então compreendeu que não conseguia andar. No nevoeiro fraco que começava a envolvê-la, pensou que teria de aprender a voar, teria de aprender a nadar, para fugir dali.

Ana Teresa Pereira, in "Quando estávamos vivos"




Enquanto sentia o chão a fugir-lhe debaixo dos pés, tudo começou a fazer sentido. A casa cheia de rosas, o sorriso dele onde não havia surpresa pela sua chegada, o gosto levemente amargo do vinho.
Ele tinha estado sempre à sua espera e, agora que ela viera, nunca a deixaria partir de novo.

Maria Eu

13 comentários:

  1. Não se deve deixar partir quando se gosta tanto e há correspondência no gostar!!!

    ResponderEliminar
  2. Todas as vidas
    são feitas e marcadas
    por chegadas
    e partidas

    Para ficar
    não é preciso aprender a voar
    Para ficar
    nem é preciso outra prisão
    do que o querer (ou não)

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Essa é a única prisão admissível, Rogério! :)

      Beijinhos e uma boa noite! :)

      Eliminar
  4. Nunca?
    é excessivo!
    pelo vinho
    (se bom)
    vai-se ficando.
    Mas um dia
    ao acordar
    o espelho
    dita a sentença.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um pouco de suspense numa história inacabada... :)

      Beijinhos, Agostinho, e boa noite! :)

      Eliminar
  5. “O coração humano tem tesouros ocultos. No segredo mantido, No silêncio selado… Os pensamentos, as esperanças, os sonhos, os prazeres… Cujo charme se romperia se revelado.“

    Charlotte Bronte – Livro “Jane Eyre”

    Bom Fim de Semana, Maria:))

    ResponderEliminar
  6. Respostas
    1. Mas há marés que também destroem...

      Beijinhos, MA, e boa noite! :)

      Eliminar

  7. Chiça... envenenou-a?
    Isso não é amor... !

    (raios de mulher!!... agora vou ficar a matutar neste conto inacabado...)
    :P

    Beijos inacabados
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que tal adivinhares-lhe um fim? ;)

      Beijos, amiga! :)

      Eliminar