domingo, dezembro 28, 2014

Silêncio

(At Mr. Wong's)




Até Amanhã


Sei agora como nasceu a alegria,

como nasce o vento entre barcos de papel,

como nasce a água ou o amor

quando a juventude não é uma lágrima.


É primeiro só um rumor de espuma

à roda do corpo que desperta,

sílaba espessa, beijo acumulado,

amanhecer de pássaros no sangue.


É subitamente um grito,

um grito apertado nos dentes,

galope de cavalos num horizonte

onde o mar é diurno e sem palavras.


Falei de tudo quanto amei.

De coisas que te dou

para que tu as ames comigo:

a juventude, o vento e as areias.

Eugénio de Andrade






Onde ficaram os gritos agudos dos amantes, os dentes cravados no fruto mais doce? Fecha a porta. Quero ouvir o silêncio.

...


Não, ainda não. Não feches a porta! Esse silêncio é de facas! Mata mais a ausência de som do que o gume afiado do aço.

20 comentários:

  1. É como se depois de fechar a porta, a ausência transforma-se em matéria :)
    muito bonito Maria :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. O silencio dos amantes é gritante! De cortar à faca.

    ResponderEliminar
  3. O silêncio não é a suavidade imaginada por muita gente, pode ser mais áspero que as palavras.

    Bom fim de ano e um 2015 como desejado.

    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode, sim, São!
      Tudo de bom para ti também! Muito obrigada!

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  4. Há silêncios de morte mas também os há de redenção.
    Nesta reta de final de ano que se cumpram bons silêncios. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há sempre um lado bom e um lado mau em todas as coisas.

      Beijinhos, Luísa, e um final de ano na esperança de um outro pleno de coisas boas! :)

      Eliminar
  5. O silêncio é um misto de gritos que se devoram. Doem muito, quando os ouvimos

    (Eugénio é meu irmão)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maravilhosa definição, Rogério!

      (Eugénio é fabuloso)

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  6. Eugénio-génio
    Poesia cada dia
    Flor amor ardor dor
    Sorte-morte
    Eugénio!

    ResponderEliminar
  7. Olha uma rosa:)
    Eu gosto da cumplicidade de alguns silêncios. De outros,já não :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois... Há silêncios e silêncios!

      Beijos, Til! :)

      Eliminar
  8. É com o cinzel do silêncio, que esculpimos a pedra bruta da vida, lapidando a geometria dos dias.
    Um próspero 2015 repleto de tudo aquilo que almejas.

    http://diogo-mar.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Diogo, votos de um excelente 2015 para ti também!

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  9. O amor é a poesia do sofrimento, Uns anjos cantam, outros choram.
    Existe um anjo que chorou muito este ano...em silêncio.
    Silêncio. Eu própria me sei. Os gritos restam-me nos ouvidos, ele está ali
    e eu sei o pranto é um rio imenso, hoje, amanhã, no dia antes do ontem
    Ele.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que essas lágrimas estanquem ou se transformem em lágrimas de alegria.

      Beijos.

      Eliminar