sexta-feira, junho 26, 2015

Maria Helena

(imagem daqui)

Maria Helena sempre primara por duas características: o aprumo e a alegria. Desde pequena que pedia à mãe para lhe endireitar os laços das tranças e a ajudar a limpar cuidadosamente os sapatos, quando havia saídas à vila. Tinha, até, o costume de ir à socapa pôr um pouco do perfume que o pai oferecera à mãe pelos anos, atrás das orelhas e nos pulsos, à maneira das actrizes dos filmes das matinés. Ah, as saídas! Os sorrisos cúmplices dos pais na previsão de um novo televisor, grande, ali a tentá-los, na montra do Sr. Inácio. O gelado da Olá com o brinde sempre esperado... Esse aprumo, porém, não a impedia de, chegada a casa, vestir os calções e a blusa larga para correr nos campos, a espreitar os ninhos de pássaros. Outras vezes, esquecia a compostura e trepava às árvores, destemida, empoleirando-se nos ramos mais altos, a gritar a plenos pulmões uma qualquer canção que ouvira no gira-discos da vizinha, uma adolescente apreciadora de música francesa e italiana, daquela de fazer suspirar qualquer um, até o Rodrigo da casa grande, rapaz espigado e fino que passava férias na aldeia, vindo de Lisboa.


16 comentários:

  1. Respostas
    1. Parece gostável, de facto. :)

      Beijos, Til. :)

      Eliminar
  2. A Maria Helena é hoje mãe de filhos adolescentes :)

    Belo momento, Maria.
    Beijinho de boa noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem sabe, LP.

      Obrigada!

      Beijos e um bom Sábado. :)

      Eliminar
  3. Por vezes...para realizarmos a maior parte das coisas que desejamos, precisamos recuperar a magia da infância, precisamos recuperar o Mago que há dentro de nós, e fazer valer a crença de que confiando exclusivamente em nós mesmos, podemos ultrapassar qualquer fronteira!

    Bom fim de semana, Maria!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há que subir ao ponto mais alto e gritar! :)

      Beijos, Legionário, e um mar azul. :)

      Eliminar
  4. Era uma adolescente adorável, de certeza, a Maria Helena. E que foi assim na adolescência continua a sê-lo...
    Beijos do Tio, que não é espigadote, mas pode ser de Lisboa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas então o Tio não é do Algarve? Ora esta!

      Beijos e um bom fim-de-semana, Tio. :)

      Eliminar
  5. Belo trecho, Maria. Bem ritmado à medida de uma Maria Adelaide que desconfio ainda vai trabalhar como trapezista no Cirque du Soleil.
    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Agostinho. É Maria Helena mas poderia ser Maria Adelaide ou outra qualquer. :)

      Beijos e bom fim-de-semana. :)

      Eliminar
  6. Gosto dessa Maria Helena que era uma criança feliz e algumas vezes traquina !
    Recordei a voz da italiana Gigliola Cinquetii que muito me agradou, bem antes da Laura Pausini :).

    ResponderEliminar
  7. As meninas eram muito assim, nas aldeias deste país.
    A Gigliola fazia furor.

    Beijos, Ricardo. :)

    ResponderEliminar
  8. Tens a certeza que era Maria Helena e não Gaja Maria? :)) Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podia ser, GM. Podia ser! :)

      Beijos e bom Domingo. :)

      Eliminar