sábado, junho 13, 2015

A VOZ (Capítulo III)


A VOZ (Capítulo I) - Teia de Folhas de Papel
A VOZ (Capítulo II) - A elasticidade do tempo
A VOZ (Capítulo III) - A vez da Maria
A VOZ (Capítulo IV) - Talqualmente Outro


Ele
Clara e melodiosa, assim a recordava. Nem se tinha apercebido o quanto o emocionara a melodia daquela torrente de palavras que lhe ia chegando, em resposta ao telefonema que  instintivamente fizera, enquanto conduzia a velocidade moderada, sob chuva grossa, na A3. Sabia de cor cada hesitação, cada sorriso, cada embargamento quase desmanchado em lágrimas. Tinham ecoado no habitáculo do automóvel, à mistura com o som das bátegas no pára-brisas e a música que tocava baixinho no leitor de Cds. 
Havia um desejo intenso de ousar ligar-lhe de novo. Os dedos ensaiavam a marcação do número...

Ela
Intensa e quente, assim a recordava. Sabia quanto se perturbara, como não parara de falar sem dizer nunca o que sempre tivera vontade de dizer. Ouvira cada palavra como se tivesse nascido para ouvi-las, apenas. Só uma música de fundo se adivinhava, como que composta expressamente para aquele momento.
Nas mãos, o telemóvel, onde sabia ter registado o número. O coração disparado, na ânsia de ouvir de novo aquela Voz "que lhe faz estremecer o corpo inteiro",  os dedos ensaiando o toque no ecrã...


Ambos marcaram o número em simultâneo. Ficaram em linha, ouvindo o sinal de ocupado do outro lado até a chamada se desligar automaticamente.




*Continuação no blog Talqualmente Outro, pelo Outro Ente.



22 comentários:

  1. Um desencontro
    por coincidência
    tem a probabilidade mínima de se repetir
    mas, ao que parece, a coincidência tem hora marcada
    até para a partilha da almofada



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem sabe se repete? Ou, então, não...

      Beijos, Rogério. :)

      Eliminar
  2. Ideia criativa e bem conduzida :)
    gostei :)

    beijo amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. A origem está na Sandra.

      Beijos, Daniel. :)

      Eliminar
  3. Há desencontros maravilhosos.Acho eu*

    ResponderEliminar
  4. Maria :) que maravilha!
    A Voz quer ganhar corpo e asas...Quiça :)
    Beijinho e gostei muito :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mérito é todo teu e, logo a seguir, do JM. Gostei muito de me pôr na pele da(s) Voz(es).

      Beijos, Sandra. e muito obrigada. :)

      Eliminar
  5. Desencontros momentâneos, reencontros possíveis, quem sabe :) Gostei tanto

    ResponderEliminar
  6. Deliciosa esta insistente simbiose de vontades falhadas. O pormenor da A3 em dia de chuva grossa, então, é irrepreensível - qual estrada de Sintra de Eça e Ramalho.
    Musica fantástica. Bom demais, Maria Tu, bom demais. Obrigado.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui! Olha que assim babo o teclado e depois como é que escrevo? (exagerado, pá)

      Beijos, JM. :)

      Eliminar
  7. Será que se casaram nos santos populares?

    Belo texto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que daqui pode sair tudo menos casamento de Santo António. :)))

      Beijos, Puma, e obrigada. :)

      Eliminar
  8. Parabéns Maria! :) 3 vozes, 3 textos maravilhosos :)
    Um beijo

    ResponderEliminar
  9. Lindo texto, Maria :)
    Lá vou eu, a correr, para o Ente, que isto não pode ficar assim...
    :)
    Beijos

    ResponderEliminar
  10. Obrigada, Linda. É algo que gosto muito de fazer, este exercício de encadeamento de histórias numa só.

    Beijos. :)

    ResponderEliminar
  11. Que texto fantástico, Maria...
    Adorei!

    ResponderEliminar