quinta-feira, junho 25, 2015

Cais

(imagem daqui)

Há um veleiro atracado no cais que aguarda o desfraldar das velas a cada dia. Raras são as vezes em que zarpa, em manobras trabalhadas pelo vento e pelas marés, nas mãos hábeis do dono, habitante da cidade grande. Entrementes, vai dando poiso a uma gaivota que lhe traz novas de uma janela em que a luz tarda a apagar-se pela noite e amanhece cedo, acesa.


23 comentários:

  1. É preciso enfunar as velas. :)

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Está um dia lindo para um passeio de veleiro...Olha que belo final de tarde!
    Um beijinho Maria ;)

    ResponderEliminar
  3. "Ah, que essencialidade de mistério e sentido parados
    Em divino êxtase revelador
    Às horas cor de silêncios e angústias
    Não é ponte entre qualquer cais e O Cais! " Álvaro de Campos

    Há uma certa nostalgia Maria, nesta fotografia!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que poema tão adequado foste buscar, Legionário!~

      Sim ,há nostalgia no veleiro que não é navegado...

      Beijos. :)

      Eliminar
  4. Evoca-me um cenário com matizes britânicos, "muito" Cornualha.
    Beijinhos.
    Boa noite.

    ResponderEliminar
  5. A vida é uma vela cheia que deixa atrás de si um rasto de espuma.

    Beijinhos, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espuma. Pena que se desvaneça...

      Beijos, Miss Smile. :)

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Firme. :)

      Beijos, querido Tio. Há quanto tempo! :)

      Eliminar
  7. Pega no veleiro Maria, desfralda as velas e zarpa, não esperes pelas novas da gaivota. Bjinhos

    ResponderEliminar
  8. Há textos
    que mais parecem um guião para uma tela
    ou para uma viagem, ou para um poema
    Contudo, não sou nem pintor, nem marinheiro, nem poeta
    e tenho pena

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rogério, desculpe intrometer-me mas tenho de discordar. O Rogério é poeta, sim :)

      Eliminar
    2. Totalmente de acordo, Miss Smile, o Rogério é um poeta! :)

      Beijos aos dois. :)

      Eliminar
  9. É no cais que o marinheiro descansa e se cansa, compra, vende e trafica dores e odores.
    Lá longe uma luz bruxuleante espera ... (?)

    Brel meu!

    Bj, Maria , vai ao mar!

    ResponderEliminar
  10. A foto é bonita, mas a poesia fotográfica das suas palavras é muito mais bela.
    Jacques Brel, sempre!

    Um beijinho e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Fê.

      Beijos e um excelente fim-de-semana para ti. :)

      Eliminar
  11. E a Grécia aqui tão perto a dardejar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tão perto e, porém, tão longe, Puma.

      Beijos. :)

      Eliminar