quinta-feira, junho 18, 2015

Azul

(Eric Zener)

Mergulha, sem um piscar de olhos, sem um mover de músculos. Assim, como se nada mais existisse para além do fundo do rio que sempre quisera ver. Tinham-lhe dito que lá, no mais profundo do leito, as pedras eram mais azuis. Sempre gostara de azul.


18 comentários:

  1. Esse rio de pedras azuis não tem margens. Cuidado, Maria.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei nadar. Nado até ao mar e um pescador puxa-me nas redes. Depois faz-me respiração boca a boca, eu acordo e... Não! É um pescador bonzinho e devolve-me ao mar!! :P

      Beijos, JM, e uma boa 6ª feira. :)

      Eliminar
  2. Blue :))

    No fundo de cada leito existe sempre mais do que se vê. Pode ou não ser como nos dizem que é, mas só mergulhando, ainda que com cautela, saberemos.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ir sempre mais linge e mais fundo.

      Beijos, S.o.l. :)

      Eliminar
  3. Afundar-se no azul e esquecer tudo.

    Muito belo este azul e belo também o vídeo de ANOUSHKA SHANKAR.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O azul, como o vermelho, são cores que me encantam.
      Muito obrigada, Fê.

      Beijos. :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Ou, então, a loucura.

      Beijos, MA. :)

      Eliminar
    2. Quem não precisa de se refrescar assim, num rio fresco e transparente?

      Eliminar
    3. Verdade! Quem não precisa?

      Beijos, Ness. :)

      Eliminar
  5. Mergulhar sem pensar, à procura do azul no fundo do rio é sempre uma incógnita, mas quem não o fez já? Bjs Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes apetece mesmo... :)

      Beijos, GM, e boas pedaladas. :)

      Eliminar
  6. No fundo a esperança é azul?
    Preciso de mergulhar para acreditar
    No fundo...
    Que será feito dos limos, esse verde-musgo?
    (recuso mergulhar pelo simples prazer lúdico)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, Rogério, como seria bom que não houvesse limos a fazer-nos escorregar nas pedras!

      Beijos e um bom fim-de-semana. :)

      Eliminar
  7. Excelente o trabalho de Eric Zenner, mais umas palavras sábias a ilustrar o quadro e estes teus trípticos que nos alertam alguns dos nossos cinco sentidos são muito bonitos. A música de Anoushka Shankar é maravilhosa !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É lindo, não é? E a Anoushka supera a irmã... :)
      Muito obrigada, Ricardo.

      Beijos. :)

      Eliminar
  8. Gosto muito da Norah Jones, mas também gosto de música indiana com cítara. e a Anoushka toca espectacularmente bem. Como se costuma dizer "filha de peixe" sabe nadar !

    ResponderEliminar
  9. No azul tudo é possível até o espanto da auto-superação.
    Uma vertigem na ponta dos dedos que elaboraram todo este trabalho.

    ResponderEliminar