sexta-feira, setembro 19, 2014

Tu



 (Jacques Dumont le Romain)

És chuva na areia sequiosa 
Rio a traçar desenhos sinuosos 
Mar em fúria nas minhas arribas
Gaivota pousada no meu peito 

A ti me dou
Por ti me perco
Em ti desabrocho
De ti renasço




10 comentários:

  1. O Tu podia ser Eu,
    Porque não?
    Porque de mim tudo nasce
    E logo em ti permanece!
    Tu és meu e Eu sou teu!
    Tu e Eu, como Eu e Tu
    Porque sim!
    Não é em vão que nos damos
    E nesse dar nos perdemos.
    No encontro desabrochamos
    E de novo renascemos.
    Ligados pelo umbigo!
    Eu sou Tu
    Tu és Eu,
    e mais não digo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria, tu excedeste-te! :)

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  2. Para viver uma existência autenticamente pessoal, a pessoa deve estar presente em si mesma, no seu próprio eu. Sem isso ser-lhe-á impossível encontrar o tu do outro...:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Encontrar-se para poder dar-se. :)

      Beijinhos Marianos, Legionário, e bom fim de semana! :)

      Eliminar
  3. .

    .

    . porque ao seres tu . eu sou mais eu . :) .

    .

    . bel.íssimo . minha amiga .

    .

    . um bom fim.de.semana .

    .

    . um beijo meu .

    .

    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Paulo!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  4. No outro ser tudo e nada. Simplesmente ser :)
    Beijinhos Maria :)

    ResponderEliminar
  5. Respostas
    1. Obrigada, Ana. Também gosto muito do teu recanto!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar