sexta-feira, setembro 26, 2014

Frágil


 (Lauren Semivan)

De vez em quando regresso a ela, à Clara. Nunca se tivera em grande conta. A educação rígida fizera-a temerosa dos outros e de si própria. Combatera ferozmente esse temor com a avidez da leitura, a música, as visitas a museus, as viagens. Brilhou a liderar grupos, a contar histórias, a desdobrar-se em mulheres que não era. 
Continua a não se ter em grande conta, a Clara. Ninguém adivinha como queria, apenas, que lhe segurassem as mãos, sem dizer nada, deixando-a ser aquilo que é, frágil. 


18 comentários:

  1. Põe-me o braço no ombro
    Eu preciso de alguém
    Dou-me com toda a gente
    E não me dou a ninguém
    Frágil
    Sinto-me frágil

    Faz-me um sinal qualquer
    Se me vires falar de mais
    Eu às vezes embarco
    Em conversas banais
    Frágil
    Eu sinto-me frágil

    Frágil
    Esta noite estou tão frágil
    Frágil
    Já nem consigo ser ágil

    Está a saber-me mal
    Este whisky de malte
    Adorava estar in
    Mas estou-me a sentir out
    Frágil
    Eu sinto-me frágil

    Acompanha-me a casa
    Já não aguento mais
    Deposita na cama
    Os meus restos mortais
    Frágil
    Eu sinto-me frágil

    O Jorge, pois... pensava que era eu?

    Bom,
    De frágil e de louco
    Todos temos um pouco

    ResponderEliminar
  2. Quase usei o Palma neste post! :)

    Beijinhos Marianos, Rogério! :)

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Ahahahah! Doidona, på! :p

      Beijinhos Marianos, Uvinha da franja! :)

      Eliminar
  4. “A consciência é a última e mais tardia evolução da vida orgânica e, por conseguinte, o que nela existe de menos acabado e de mais frágil.”
    Friedrich Nietzsche

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada a acrescentar.

      Beijinhos Marianos, Legionário! :)

      Eliminar
  5. Ah! Quase me esquecia da fragilidade de Clara!
    Disse-lhe tudo o que talvez não quisesse ouvir.
    Perguntei-lhe por Maria e pelas famílias!
    Perturbei-a com sentimentos próprios.
    Talvez a tenha agredido com impropérios na cara...
    E ela é frágil...tão frágil, mais frágil que a própria vida!
    Por isso peço agora a Maria, sua amiga
    Dá-lhe as mãos como se fossem as minhas!
    Segura-a a todo o instante e lamentos que eu diga.
    Nem deste beijo profundo aqui deixado,
    Porque não são momentos de despedidas!

    Bom fim de semana, Bjo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria, esta não é a Clara de que falas (se leres os detalhes poderás constatar isso mesmo). Mas posso fazer o que me pedes. :)

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  6. A fragilidade pode conter a força. ou talvez não...

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode. Precisa é de ser reforçada, essa força!

      Beijinhos Marianos, Pérola! :)

      Eliminar
  7. Não sei o que é feito da Clara!! (private joke)

    Agora coisas citando pessoas: "É possível impor silêncio ao sentimento; não é, porém, possível marcar-lhe limites."

    Madame Necker

    Bjooooooooooooooooo*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos todos feitos de (in)esperadas fragilidades...

      Beijinhos Marianos encorajadores, miúdo! :)

      Eliminar
  8. Boa tarde, a fragilidade faz parte do nosso desenvolvimento, ela transporta-nos para a força da motivação.
    AG
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não podemos é negá-la.

      Beijinhos Maria os, AG! :)

      Eliminar
  9. É só para dizer-te obrigado, deixar-te um beijinho e desejar-te um excelente fim-de-semana!
    :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh! Obrigado, porquê?

      Beijinhos Marianos, Jorge, e um bom fim de semana para ti também! :)

      Eliminar
  10. A fragilidade é um dos efeitos da educação rígida...Adoro os meus progenitores porque me fizeram tão forte e frágil (às vezes)*
    Beijinhos...;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Invejo os fortes...
      És uma sortuda!

      Beijinhos Marianos, Til! :)

      Eliminar