segunda-feira, agosto 31, 2015

Poesia nas mãos

(Jack Vettriano)


Não reparara nela a não ser porque se sentava precisamente na mesa fronteira à minha. Lia um livro que, pela mancha do texto visível à pouca distância, me pareceu ser de poesia. De vez em quando, ao ruído da porta a abrir-se, levantava os olhos, logo regressando a um alheamento a tudo o que se passava no salão de chá. Observei-a. Nos cinquenta, formas arredondadas, casaco preto de corte discreto, deixando antever o vermelho do vestido, da mesma cor dos lábios. Mantinha-se discreta e concentrada até que... A porta abriu-se, uma vez mais, e ela, uma outra vez, olhou naquela direcção. O olhar brilhou como se tomado da luz de mil estrelas, as mãos, levemente trémulas, fecharam o livro. O homem que entrara sorria, eivado de nítida ternura e, aproximando-se, apertou-lhe as mãos nas suas, sussurrou-lhe algo ao ouvido e saíram, abraçados. Na mesa, ficaram o livro e uma nota de cinco, por de mais excessiva para pagar o café. Haveria, decerto, mais poesia naquelas mãos do que no livro inteiro.


39 comentários:

  1. Há sempre um outro lado
    não contado
    Nunca lhe perdoaria
    se fosse um poema lido
    desse livro abandonado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haverá poesia, não duvido!

      Beijinhos, Rogério. :)

      Eliminar
  2. Belíssimo texto, complementado com uma belíssima melodia.
    De um dos maus autores portugueses favoritos.
    Que completou ontem 70 anos de vida.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Pedro!
      A música foi escolhida também pelo aniversário do Sérgio.

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  3. Tudo relativo.

    Cada um acha a poesia onde quer.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois se a há em qualquer lugar!

      Beijos, Pérola. :)

      Eliminar
  4. A letra desta canção é belíssima.
    E talvez o livro sirva de inspiração a outros. ;)
    Beijo, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem sabe, alguém o encontra e se inspira, de facto!

      Beijos, Isabel. :)

      Eliminar
  5. Verdade! Ha quem tenha poesia nas mãos; nad palavras, no olhar, no corpo. ..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os que amam ensaiam poesia no corpo inteiro.

      Beijos, GM. :)

      Eliminar
  6. Querida Maria Eu,
    Seriam Folhas Volantes? Também há poesia na alma.
    "Queria ter uma alma nova.
    Decidida, capaz de tudo ousar.
    Nunca esta que tanto conheço, compassiva,
    torturada, de trazer por casa.
    A alma que eu queria ter e devia ter...
    Era uma alma asselvajada, impoluta, nova, nova
    nova, nova!"
    Bom dia,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É na alma que ela está, de verdade! Daí irradia.

      Boa noite, caro Ente, e um beijinho. :)

      Eliminar
  7. Só pega no livro quem tem as mãos vazias de poesia.
    Muito bonito o texto.
    Uma boa noite

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E as de ambos estavam cheias delas.
      Obrigada, Agostinho.

      Beijinhos e uma boa noite. :)

      Eliminar

  8. Continuas a superar-te... continuas a emocionar-me.

    (a noite passada estive a ouvir, por coincidência... ou então não, este tema entre outros num jeito de homenagem de parabéns ao nosso cantautor favorito)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os teus olhos de amiga são ternos.

      (lembras-te daquela noite? das canções partilhadas?) :)

      Beijos, amiga. :)

      Eliminar
    2. (Essa noite será eterna, nessa noite realizei um sonho de anos...)

      Eliminar
  9. Belo texto Maria, e não sei muito bem porquê...fez-me sentir uma certa nostalgia do filme Casablanca!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Legionário! Aqui, eles não se separam.

      Beijinhos e uma boa noite. :)

      Eliminar
  10. A poesia está toda nas mãos de quem escreveu este bonito texto :)

    Beijinho, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, Miss Smile, muito obrigada! Vindo de quem escreve com a sua mestria doce é ainda mais tocante, o elogio!

      Beijos e um fim-de-semana feliz. :)

      Eliminar
  11. Excelente
    quando as mãos falam por gestos

    Bjs

    ResponderEliminar
  12. A poesia está na ponta dos teus dedos Maria :)
    Beijos

    ResponderEliminar
  13. Este teu tríptico é fascinante. A começar na imagem, fascinate de cor vermelha, do vestido da Mulher, passando pelas tuas excelentes palavras, completadas pela voz de um grande poeta e cantor !

    ResponderEliminar
  14. Venho só desejar bom fim de semana, pois de resto, está tudo dito. Muito bem dito, aliás.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, muito!

      Beijos e um bom fim-de-semana para ti também. :)

      Eliminar
  15. A poesia é mistério, é comunicação secreta, é ritmo, é harmonia, é refugio.
    É... demolidora, é inconsumível.

    Um grande abraço, Maria Tu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A poesia incendeia.

      Bom fim-de-semana, JM, e um abraço de volta. :)

      Eliminar
  16. Nada a acrescentar, está tudo dito mas, não queria ir-me sem deixar sinal de passagem
    Abreijo Maria TU



    ResponderEliminar
  17. um olhar poético. é tão bom, quando ainda se consegue ver poesia nos gestos humanos do quotidiano. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A poesia reside aí, em cada pequeno gesto diário.

      Beijinhos, Henrique. :)

      Eliminar