domingo, agosto 23, 2015

A ferida aberta da memória


(Rogier V, Der Weyden)

"A memória é uma ferida vasta", escreve Chico Buarque, citado pela Isabel

Sinto a memória agudamente. Arde-me um aflorar de dedos, esfria-me uma palavra dura, enternece-me um abraço, inebria-me um perfume. 
Recordo uma ferida que demorou meses a curar. Sentia a carne aberta a pulsar, intensamente, a cada dia, a cada noite. 
A minha memória, tal como a ferida, pulsa, incapaz de cura para o tropel de emoções.


34 comentários:

  1. A memória pode também ser uma doce pequena morte, onde não há dor nem sofrimento, e que encerra as horas felizes, tão imateriais que são imaterializáveis numa marca no corpo.
    :)

    Beijos, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto das minhas memórias. Todas.

      Beijocas, Lindinha azul. :)

      Eliminar
  2. Mesmo as que se fecham, cicatrizam, deixam as sequelas na alma!
    Eu escondo a minha ferida debaixo de um perfumado curativo, Maria!
    Abraços e bom domingo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que a sua ferida se cure depressa!

      Beijos, VitorNani. :)

      Eliminar
  3. Maria, por vezes diz-se que o tempo cura todas as feridas... Não concordo. A ferida continua. Com o tempo, a mente protege-se cobrindo a ferida com cicatrizes, e a dor diminui, mas nunca desaparece.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é que faz as verdadeiras memórias permanecerem.

      Beijos, Legionário, e boa semana. :)

      Eliminar
  4. Maria, que nunca nos falhe a memória. Recordar momentos faz parte da vida, e da nossa identidade. Há que saber disciplinar os sentimentos e os actos perante algumas, que nos causam dor, outras que nos afundam na saudade, e outras que nos fazem sorrir.
    Beijinho grande Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A memória é o nosso maior suporte.

      Beijos, Sandra. :)

      Eliminar
  5. A memória pode ser fatal senão fizermos do presente nossa fortaleza e do futuro nossa esperança.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Usar a memória para fertilizar o presente.


      Beijos, Pérola. :)

      Eliminar
  6. De facto há feridas que não cicatrizam...e eu tenho algumas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As boas também ardem. :)

      Beijinhos, A. Jorge. :)

      Eliminar
  7. Todos temos as nossas feridas. Tenho tantas. Inebrio-me de sonhos para as esquecer. Faz um curativo rápido às tuas.

    Beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estas feridas são simbólicas. Comparao-as às memórias por serem vivas! :)

      Beijos, enfermeirinha. :)

      Eliminar
  8. Há memórias como feridas, outras como bálsamos. Há procurar as últimas para aliviar as primeiras.

    ResponderEliminar
  9. De certa forma, escrever este texto foi uma tentativa de fazer notar a eventual necessidade de disciplinar um caminho a ser feito quando a gestão da memória tem franjas muito desequilibradas.
    "Que nunca nos falhe a memória.", "Há feridas que nunca cicatrizam."... há memórias doces, há outras tristes, há outras que tendem a paralisar-nos. Como tudo na vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas quando eu falo em ferida, refiro-me à memória sempre viva, não ao facto de serem más memórias. :)

      Beijos, Isabel. :)

      Eliminar
  10. Doem-me algumas memórias como me doem cicatrizes de feridas antigas. Nos últimos anos dou conta por testemunhos alheios que guardo memórias de coisas que já ninguém recordava, espero bem não me acontecer ter dores que ninguém tem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A maturidade traz-nos essa faceta mais sentida.

      Beijos, Luís. :)

      Eliminar
  11. Eu tenho memória e gosto de pessoas com memória!Somos feitos também disso*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Coisa fundamental, a memória!

      Beijos, Til. :)

      Eliminar
  12. Todos temos feridas, faz parte e a memória é tramada, por vezes não deixa que elas fechem, mas o tempo, esse elemento que corre todos os dias, vai dando uma ajuda. Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há feridas "boas" que nos lembram momentos maravilhosos. :)


      Beijocas, GM. :)

      Eliminar
  13. Respostas
    1. Que nunca nos apaguem a memória!

      Beijinho, Rogério. :)

      Eliminar
  14. O que a saliva, o sal, o sol, o mar sara a memória agrava.

    Boa semana.

    ResponderEliminar
  15. A memória tem esse contra - não distingue o que são boas memórias das más.
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por outro lado, como apreciar as boas não sabendo o que são as más?

      Beijinhos, Pedro. :)

      Eliminar
  16. Graças à memória, o passado é sempre presente, somos nós.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De enorme importância na nossa definição, Miss Smile.

      Beijos. :)

      Eliminar
  17. Não há antibiótico capaz para males de memória.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que a tenhamos é bom.

      Beijinhos, Agostinho. :)

      Eliminar