quinta-feira, agosto 20, 2015

Pessegueiro


(imagem daqui)


A casa continuava ali, aparentemente igual. Já secara a buganvília que emoldurava a varanda e a horta não era trabalhada. O pessegueiro, porém, erguia-se orgulhosamente verde, a copa a sombrear a janela daquele que um dia fora o seu quarto. Quando era menina de caracóis loiros tinha por costume plantar todos os caroços de pêssego depois de comer, em mordidelas ávidas, o fruto amarelo de laivos arroxeados. Um deles germinara e crescera aquela árvore, quem sabe para proteger a janela onde se debruçara a fumar os primeiros cigarros e a olhar o céu em sonhos de adolescente. Já há muitos anos que os pais se tinham mudado para uma casa maior, mais bonita e confortável, rodeada de árvores e vinhedos. Era naquela, no entanto, que ecoavam as suas gargalhadas de menina, o bater acelerado do coração na primeira paixão, aos 13 anos, as vozes alegres das mulheres da casa a cantar na cozinha. Tudo tão vívido que lhe chegou às narinas o cheiro dos biscoitos de limão alinhados em tabuleiro untado com manteiga, a cada Domingo.

Abandonadas, as paredes brancas escureciam, as contras  das janelas empenavam e as portas, entreabertas, deixavam entrar as trepadeiras daninhas que se iam enroscando nas lembranças sem as conseguirem estrangular.


22 comentários:


  1. E a mim, agora de repente, cheirou-me a bolo de chocolate e sumo de maçã.
    Cheiros que lembram amizades profundas.

    Beijos de água doce
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabores de uma tarde de Verão entre amigas.

      Beijos, Esther Williams. :)

      Eliminar
    2. A Esther Williams, conheço !!!... é uma Sereia Lindíssima

      Eliminar

    3. Ricardo,
      Lindíssima e que eu adoro!
      Sou fã desde novinha desta actriz/nadadora.

      (^^)

      Eliminar
  2. Odores de infância

    Ah, e o pessegueiro

    As ruínas
    que nos entram pelas narinas
    nos penetram a alma e a inundam de cheiro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os cheiros são um forte indutor de recordações.

      Beijos, Rogério. :)

      Eliminar
  3. Na melâncolia dos pessegueiros das nossas vidas, vive uma parte de nós, que quase sempre, traz cheiros bons.

    ResponderEliminar
  4. Memórias que podem ser reavivadas por um qualquer pormenor.
    Ou pessegueiro.
    Bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De vez em quando é bom regressar ao passado.

      Beijinhos, Pedro. :)

      Eliminar
  5. :) fizeste-me lembrar a minha infância e as visitas diárias aos pessegueiros na esperança de que já tivessem o tamanho e
    a maturação certas para os podermos comer. Velhos tempos, bons tempos. Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E quando os tirávamos verdes, na ânsia da prova?

      Beijos, GM. :)

      Eliminar
  6. Maria, encanta-me as manhãs de verão, cheiro fresco a erva cortada que me trazem esperança com odores de infância conhecidos por lembranças!

    ResponderEliminar
  7. Memórias doces de menina! Também tinha o hábito de enterrar os caroços na terra.
    Gosto da imagem e da banda sonora.
    Bom fim-de-semana, Maria!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será geracional? ;)
      Obrigada, Isabel.

      Beijos. :)

      Eliminar
  8. Doces recordações, Maria. Lembrei-me também do meu quarto cor-de-rosa, da longa varanda onde dispunha as bonecas defronte para o quadro como se de uma sala de aula se tratasse e do cheiro da maresia. Obrigada por me transportares, através do teu texto, para outros tempos.
    :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bonecas! Do que me foste lembrar! :))))

      Beijos, Maria, e obrigada. :)

      Eliminar
  9. Por pouco não saio daqui, a caminho da cozinha, para fazer biscoitos de limão... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabem bem, os biscoitos e as recordações.

      Beijos, Luísa. :)

      Eliminar
  10. As memórias de infâncias/juventudes passadas em casas que nos são queridas, são sempre recordações agradáveis e nostálgicas, mas perduram para sempre ! Gostei de tudo !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Melancolia...
      Obrigada, Ricardo.

      Beijinhos. :)

      Eliminar