sexta-feira, setembro 04, 2015

Gaivota



Ana Maria caminhava devagar, apreciando o calor tépido do entardecer. O passeio largo, onde as palmeiras se descabelavam ao vento Norte, convidava a passos tranquilos e o mar, espraiando-se em sucessivas vagas de um azul claríssimo, quase galgava o paredão, embranquecendo-o de espuma. Subiu o caminho que leva ao farol com um sorriso nos lábios. Tinha sido ali, há alguns anos, que Júlio lhe passara os braços pelos ombros desprevenidos, a puxara de encontro ao peito e lhe chamara gaivota. 
Talvez por isso, não resistia a embriagar-se de mar e a deixar-se voar com as gaivotas, quem sabe em viagem até Júlio.


26 comentários:

  1. e lá longe "Júlio" diria:

    Entra-me em casa o murmúrio do mar
    e ao fim da tarde assoma na janela
    uma gaivota que me vem deixar
    a mensagem mais simples, mais singela,
    que podia na vida desejar:
    esta certeza de que estás comigo
    mesmo quando te ausentas e eu invento
    mil e uma formas de escutar no vento
    o eco das palavras que te digo.


    Bom Fim de Semana, Maria! :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que assim fosse, Legionário. Ana Maria aparente merecer. :)

      Beijinhos e boa semana. :)

      Eliminar
  2. `Se uma gaivota viesse...
    Que perfeito coração
    No meu peito bateria,
    Meu amor na tua mão,
    Nessa mão onde cabia
    Perfeito o meu coração.´

    Beijinho salgado, Maria :)

    ResponderEliminar
  3. Maria Tu, este contos curtos com personagens com nome são uma delicia. Fica tudo tão real. Imagina que as vagas que embatem no paredão até me salpicaram o rosto de gotículas salgadas.

    Grande abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico contente de te ter salpicado! :)

      Beijinhos e obrigada, JM. :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Histórias com algumas memórias e outras não. :)

      Beijos, Isabel. :)

      Eliminar
  5. Houve um tempo em que se glosavam gaivotas: "Jonathan Livingston Seagull" e havia uma canção em português que dizia "Uma Gaivota voava voava...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o que nos fartámos delas, à época! :)

      Beijinhos, Luís. :)

      Eliminar
  6. De facto, falares em gaivotas fez-me transportar para outras referências... curiosamente todas elas três aqui já referidas.

    Beijinhos em voo companheiro
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por isso não estão aqui. Fui procurar outra música. :)

      Beijos, amiga. :)

      Eliminar
  7. Gaivota !!!, lembrei-me de comentar com música, apesar de já ter sido aqui falado. Penso que vais Gostar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vi o filme. :)

      Obrigada, Ricardo, e um beijinho. :)

      Eliminar
  8. Gostava eu de ver os montes, o mar, os ninhos, a nespereira, a M Clara, o Júlio, a gaivota. .. em folhas reunidas. Tudo teria mais sentido.
    Bj. Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Clara, a Ana Maria, a Maria Antónia, o Júlio e o José são um e muitos ao mesmo tempo. :) Não sei se seria capaz de os reunir aos montes, à nespereira, ao mar, aos ninhos, aos rios, numa história só.

      Beijos, Agostinho. :)

      Eliminar
  9. Que emoções e belas recordações nos traz embriagarmo-nos de mar. Beijinho Maria :)

    ResponderEliminar
  10. Acho que já houve mais gente a associar a gaivota à célebre canção.
    Mas eu gosto mais da versão com variação:

    Uma gaivota
    Voava, voava.
    F....da p......
    Nunca mais parava!

    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahahah! Lembro-me dessa versão!

      Beijinhos, Pedro, e obrigada. :)

      Eliminar
  11. Voltar aos lugares onde já se foi feliz :)

    Beijinho, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo sorriso de Ana Maria, assim deve ser.

      Beijos, Miss Smile. :)

      Eliminar
  12. O que é que andas a tomar antes de escrever?...
    Também quero!

    ResponderEliminar