quarta-feira, agosto 12, 2015

Pássaros

(Celeste Henriquez)


- Pai, venha para dentro! Olhe como tem os braços arrepiados de frio! Vá, venha!
- Senta-te tu aqui um bocadinho. Estou a contar os pássaros.
- A contar os pássaros? Ora, o disparate! Eles são tantos que nunca lhes vai ter a conta.
- Anda para aqui e vais ver como faço. Se te sentares do lado da grade, tiras-me o vento.

Puxou uma cadeira e sentou-se. O rosto enrugado do pai abriu-se num sorriso.

- A minha menina! Estás cá hoje?
- Estou, pois, desde há uns dias. Não se lembra? Então, ontem, até fomos dar um passeio pela quinta. Fomos ver as uvas a aprontarem-se para a vindima.
- Estava aqui a pensar nos pássaros. Nos pássaros e nos filhos deles. São amigos dos filhos. A minha mãe não gostava de mim.
- Como assim, não gostava de si? Gostava, claro!

A cara dele ficou sombria e os olhos encheram-se-lhe de lágrimas.

- Eu sei que não gostava. Batia-me. Uma vez, de tão cansado de apanhar que eu estava, fui procurar um poço, daqueles muito fundos, para me atirar.
- Não diga isso da avó! Ela tinha muitos filhos, estava cansada, era só isso.
- Os outros podiam fazer tudo, eu não. Apanhava logo. (...) Já viste aquela rolinha? Olha que linda, ali a arrulhar. Vieste agora, foi? Ficas para o jantar?

Ficaram ali, a ver os pássaros. Afinal, não era preciso saber contar e ela tirava-lhe o vento que atravessava as grades.


16 comentários:

  1. O Amor, tem uma capacidade de adaptação às circunstâncias incrível. É flexível. Mas para que assim seja, necessita de uma construção sólida, cimentada ao longo dos anos. Refiro-me ao Amor que mesmo contrariando acordos ortográficos, merece um A dos grandes, não de artificialidade, nem de dados que se presumem adquiridos por parentesco. O de A grande, pode até revoltar-se, que também não é nenhum santo, mas acaba por ficar "a ver os pássaros" e até a contá-los e faz de conta que a pergunta "vieste agora, foi?" só foi feita uma vez.

    Beijinhos, Maria. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem sempre é fácil, este amor, como qualquer amor.

      Beijos, Cláudia. :)

      Eliminar
  2. Um aconchego feito, aparentemente, de pequenas coisas.
    E há pais que não gostam dos filhos. É triste, mas há.
    [E tu não podes passar sem os pássaros!]
    Beijo, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Custa pensar que haja...
      (Não, não posso.)

      Beijos, Isabel. :)

      Eliminar
  3. sabe, é tão bom poder olhar para eles, para os nossos pais.
    parabéns pelo texto Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo, Ana!

      Muito obrigada, mesmo.

      Beijos. :)

      Eliminar
  4. Nós somos a mãe que tivemos e esse pai parece ser um homem bom!

    - É belo sentar-mo-nos
    junto de um contador de pássaros -

    (bonito, isto!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Principalmente quando amamos esse contador.

      (obrigada, muito)

      Beijos, Rogério. :)

      Eliminar
  5. A contar pássaros se conferem laços que prendem
    num jogo de afectos e cumplicidades. E até pode haver a felicidade de uma rola.
    Boa noite

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode haver, até, silêncios felizes.

      Beijos, Agostinho. :)

      Eliminar
  6. a vida e o amor são feitos de pequenos gestos e história ou texto foi bonito de se ler.

    "Só" porque a minha filha gosta de estrelas cadentes, ontem "preparei-lhe" uma surpresa, ver as estrelas cadentes, era ver uma criança muito feliz...
    Bom dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :))))

      Tão bom, surpreendermos os nossos filhos, não é?

      Beijinhos, Urso Misha. :)

      Eliminar
  7. Maria, como seria "estranho" se as crianças conhecessem como eram os seus pais antes de terem nascido, quando ainda não eram pais, mas simplesmente eles próprios.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estranho e nada verosímil! :)

      Beijinhos, Legionário. :)

      Eliminar
  8. Que bonito!! seus contos são lindos Maria
    ficaria aqui a manhã inteira, lendo a extasiar...

    ResponderEliminar