quinta-feira, novembro 27, 2014

Marcas




Ocupo-me com tudo menos o que fica na resma do trabalho, ali ao lado, na secretária de madeira que, reparo agora, tem marcadas palavras e palavras sobrepostas. Sempre me repreendia, o professor de Desenho, por carregar demasiado no lápis. "Maria, não carregues assim no lápis, menina! Parece que estás zangada! Não vês que, a enganares-te, vão ficar marcas, mesmo que apagues esses traços fundos?" Ficavam sempre assim, os meus desenhos, marcados pela força, pela sofreguidão posta em cada linha, em cada detalhe.
Já não desenho. Continuo a usar da força e da sofreguidão. Continuo a não ser capaz de apagar as marcas.

19 comentários:

  1. As marcas são as memórias. O passado pode ser um deserto frio e tenebroso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há marcas de todos os tipos, boas e más.

      Beijinhos Marianos, Uvinha! :)

      Eliminar
  2. Marcas são referências, vestígios, testemunho de percursos: Há quem desmarque, mas uma marca é sempre uma marca. Mesmo tentando desmarcar.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o que somos nós, a não ser um conjunto de marcas?

      Beijinhos Marianos, AC! :)

      Eliminar
  3. Eu fazia o mesmo. E essas marcas não desaparecem :)
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos mais em comum do que parece. :)

      Beijinhos Marianos, I! :)

      Eliminar
  4. Eu gosto de pessoas com marcas,são as que me marcam mais:)

    ResponderEliminar
  5. Respostas
    1. Ninguém, Rogério, nem nós.

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  6. Toda a ciência está na mina do lápis: uma mina B deixa traços que se apagam sem deixar marcas. Mas isso, os professores de desenho nunca dizem. Tal como nunca dizem que toda a gente tem jeito para desenho. E deviam.

    Boa noite, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Xil, o meu professor era arquitecto e dessa coisa de minas nunca falou. Eram os lápis nro x ou y...
      Sempre tive jeito para desenhar, apenas os traços tendiam a ser carregados.

      Beijinhos Marianos! :)

      Nota: já experimentei os modernos lápis de minas. Parto-as sempre. Sou muito antiga, deve ser por isso.

      Eliminar
    2. Eu uso de minas 1.0 em vez de 0.5 por causa disso mesmo :)
      Aqui fica a sugestão.

      Boa noite, Maria :)

      Eliminar
  7. No fundo, todas as nossas “marcas” dizem um pouco quem somos e o que é que estamos a fazer e a necessidade de deixar algo feito, porque esta vida não é eterna e deixar as nossas “marcas” pode ser uma forma de eternidade.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Umas são feridas abertas, outras são cicatrizes.

      Beijinhos Marianos, Legionário, e bom fim de semana! :)

      Eliminar
  8. Contudo, as marcas na alma são muito mais difíceis de apagar que as marcas do lápis no papel.
    bj amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há borrachas para esse efeito.

      Beijinhos Marianos, Carmem! :)

      Eliminar
  9. Mais vale a força da coragem que traça que o sofisma da cobardia que se perde em rasuras.
    BFS, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas doem, às vezes, essas marcas...

      Beijinhos Marianos, Agostinho! :)

      Eliminar