quinta-feira, janeiro 30, 2014

De espíritos desencarnados que estabelecem relações psychicas ou De como me apeteceu "postar" uma coisa mesmo estranha!



 (Andrew Brodhead)

"Um incidente estranho produziu-se no gabinete da doutora Anna Luckens, na tarde do domingo ultimo. Conversava-se a respeito do nosso querido amigo, o prof. Cope, morto quatro semanas antes da nossa volta de uma excursão de tres meses atravez do Mexico, na California e dos Estados do Noredeste.
Em certo momento, fiz allusão ao interesse que o defunto havia mostrado pelas pesquizas psychicas, notando a importancia que teria o facto de se obter algum sinal manifesto de sua sobrevivencia, ou de saberem as suas impressões sobre a existencia espiritual que elle tinha, havia pouco, ingressado.
Mal acabara de exprimir esse desejo, a grande caixa de musica da doutora começou espontaneamente a tocar e assim continuou durante mais de cinco minutos, com grande espanto nosso."

"Um curioso incidente que creio ter omittido em minha carta precedente, produziu-se cerca de um quarto de hora antes que a caixa de musica tivesse cessado de tocar.
Dirigi uma pergunta mental ao defunto professor Cope, concebida quasi assim: - Eduardo, foi V. quem fez tocar a caixa? - Immediatamente, tres pancadas foram dadas ao meu lado, no assoalho (...)."

"(...) graças à analogia com os phenomenos telephaticos, nos quaes uma pessoa, pelo facto de pensar intensamente noutra, se põe immediatamente em relação psychica com essa outra (...) não é preciso supor que o espirito do morto se encontrasse no lugar, mas o pensamento dos assistentes, dirigido com intensidade e affeição para o amigo desaparecido, houvesse estabelecido a relação psychica entre elles; o espirito desencarnado teria, então, intervindo para fornecer aos amigos que delle se lembravam a tão desejada prova da sua presença."

Extractos do livro Phenomenos Psychicos no Momento da Morte, de Ernesto Bozzano, traduzido por Carlos Imbassahy, conforme os direitos concedidos pelo autor à Federação Espírita Brasileira. Edição de 1927.


12 comentários:

  1. Eh lá, é preciso ter cuidado com estes fenómenos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Phenomenos, se fazes o favor! ;)

      Beijinhos Marianos, Tio! :)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Do outro mundo! :P

      Beijinhos Marianos, Tétisq! :)

      Eliminar
  3. "Espíritos desencarnados"... devem ser do FCP :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, Ricardo, olha que a Maria é uma "melher" do Norte, carago! :P

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  4. Adivinho porque foi buscar esta "coisa"... nada estranha.
    Sabe que ando há tempos a tentar
    telepatiar com Salazar?
    Tentei e... resultou
    Foi assim
    Dirigi um pergunta mental ao tal defunto
    (de que muitos guardam luto):
    "esta gente é sua parente?"
    Passado pouco mais de um minuto
    o campanário, que tem badalo, fez: "Talim-Talão"
    Entendi como um não
    Entusiasmado, voltei a consultar o há muito enterrado: "São mais eficientes que tu?"
    O campanário, de lá com seu badalo, fez: Talão-talim"
    Entendi como um sim
    A partir de hoje, não oiço um discurso de Cavaco que não consulte o espírito desse morto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu és sábio... :)
      Tanto se tem falado em mortos que deviam estar bem mortos e enterrrados!

      Beijinhos Marianos, Rogério! :)

      Eliminar
  5. http://vlovajobpru.com/wp-content/uploads/2013/02/Bengolea-Chaignaud-Sylphides-credit-Alain-Monot2.jpg

    http://www.youtube.com/watch?v=o-KCR_sAsGQ

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fantástico, Catarina! Obrigada!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Maluca, eu. O que se há-de fazer? :p

      Beijinhos Marianos, je suis...noir! :)

      Eliminar