terça-feira, janeiro 26, 2016

O tropel do coração

(Tamara Lempicka)



Estranhava-se no sentir por de mais avassalador. Latejavam-lhe as têmporas, humedeciam-se-lhe os olhos, enrubesciam-se-lhe as faces. Não lhe sossegavam as mãos, agitadas em entrançar de dedos, em viagens pelo pescoço, enrolando as madeixas de cabelo negro em caracóis. O coração desarvorava em tropel descomedido apenas à lembrança daquele olhar coroado por sobrancelhas inquietas. Era, então, esse desassossego a que chamavam paixão, pensou Clara, a pele em arrepio na sua nudez despudorada!


21 comentários:

  1. A sintomatologia aponta toda para esse diagnóstico.

    ResponderEliminar
  2. "Fogo que arde sem se ver", já dizia o Poeta, e como arde :)

    A sensualidade das pinturas de Lempick é transbordante. Deve ter sido uma mulher de fogo também :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mulher ousada, liberal, bissexual, explodia de sensualidade nas telas.

      Beijos, Costureirinha :)

      Eliminar
  3. Um dilatar de poros.
    Um brilho diferente na pele.
    Um queimar de calorias desenfreado pelo metabolismo da paixão.
    A Clara em estado febril.
    Boa tarde.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma febre deliciosa, diria.

      Beijinhos, Agostinho :)

      Eliminar
  4. A pintora é magnifica.
    A paixão é um desassossego maravilhoso!
    Bela a tua partilha
    Beijinho Maria:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale a pena espreitar mais trabalhos e ler a sua biografia. Uma mulher bem á frente do seu tempo.

      Beijos, Helena :)

      Eliminar
  5. o coração esse malandro que nos põe a cabeça à roda, a pernas a tremer, borboletas no estômago, mãos que transpiram. todo o corpo sofre por causa desse maldito.

    Beijos Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um doidivanas, é o que ele é!

      Beijinhos, Urso Misha :)

      Eliminar
    2. E que continue assim que é tão bom :)

      Eliminar
  6. Querida Maria Eu,
    No início era o caos. O Amor ficou lá atrás. Seguiu-se o desassossego. Hoje, temos o stress.
    Bom dia,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois sim, caro Ente, o stress é tramado! Mas quem não aguenta um pouco de stress se num arroubo de paixão?

      Boa noite e um beijinho. :)

      Eliminar
  7. a Grandiosa bem disse, mouro na costa... :)
    muito bom este tropel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, Stormy, mas aqui o mouro já atracou o barco e tomou o território há bastante tempo!

      Beijocas :)

      Eliminar
  8. Muito visual e sensitiva, estas tua mensagem escrita :)

    ResponderEliminar
  9. Um tropel que já senti e que nunca esqueci :)
    Não conhecia a Ximena Sariñana e gostei !

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem que se viva apenas uma vez, nunca se esquece!
      Tem uma voz doce e a música, com uma toada de jazz, é muito boa.

      Beijos, Fê :)

      Eliminar
  10. Ó que desassossego bom, que tormento maravilhoso esse da paixão...
    Beijinho

    ResponderEliminar