sexta-feira, janeiro 15, 2016

Habitar



(Francesca Woodman, From Space, 1976, © Betty and George Woodman)

Havia tantos anos que habitava aquela casa que nem conseguia seguir os traços da memória até ao dia em que, pela primeira vez, pisara o soalho de carvalho. Curiosamente, recordava os sons e os cheiros de cada aposento, nesse passado longínquo. Sabia do ranger da tábua que dava passagem para a sala de jantar , bem junto à porta, do odor a cera acabada de espalhar por todo o lado, à excepção da cozinha, onde a mãe chegara cedo para cozer um bolo de canela e assar vitela com batatas novas. Ah, como era bom comer naquela cozinha grande, a mesa de madeira com bancos corridos a abrigar a fome da palavrosa família! Eram essas palavras que ouvia, agora, à mistura com as gargalhadas das mulheres perante as pantominas das crianças. Até conseguia repetir a cantilena do Pedro e da Mariana: 
Bichinha gata 
Que comeste tu? 
Sopinhas de leite 
Onde as guardaste? 
Debaixo da arca 
Com que as tapaste? 
Com o rabo do gato 
Sape, sape, sape!

Um arrepio percorreu-lhe o corpo agasalhado. Afinal, andara pela casa com o vestido vermelho sem mangas que a mãe lhe comprara aos quinze anos! Aconchegou melhor a manta polar nas pernas inchadas, acomodou-se na almofada que lhe amparava as costas ao sofá, fechou os olhos e adormeceu.
A casa habitava-a, agora, a ela.


45 comentários:

  1. ~~~
    Um 'post' muito interessante, ME.

    Muito
    apreciei da criatividade do seu texto.

    A lengalenga da «bichinha gata» conheço-a
    desde muito pequenina...
    Passavam-me os dedos pela cara e na altura do
    'sape, sape' saía uma sessão de cócegas hilariantes.

    ~~ Memórias de uma vida...

    ~~~~~~ Beijinhos.~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Majo!
      Também terminava com cócegas, a minha lengalenga.

      Beijinhos :)

      Eliminar
  2. Está tão belo Tutu!

    Fui transportada para a casa dos meus avós paternos. Teve sabor.

    Pela segunda vez falas em bolo de canela, ainda vou ter que fazer um, só pela fome que fico. Adoro canela :)

    Beijoquinha Tutu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos recordações semelhantes e o gosto igual pela canela!
      Obrigada, Snowy!

      Beijocas :)

      Eliminar
  3. estava aqui num impasse... trouxe-me recordações, muitas.
    gosto, da fotografia, do texto, da música. sinceramente, gosto.
    beijinho
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto que gostes, Henrique!
      Obrigada!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  4. há memórias que me arrancas do mais fundo de mim, Maria.
    maravilhoso...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Brincamos? ;)
      Muito obrigada, Laura!

      Beijos :)

      Eliminar
  5. Que lindo, Maria.
    A nossa pele encerra muitas "casas". Eu diria que são os lugares que nos acolhem e que nós escolhemos. A nossa casa mora onde nos sentimos bem.
    Fica um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Sandra, muito!
      Sim, as casas que sentimos como nossas são indissociáveis de nós.

      Beijos. :)

      Eliminar
  6. Saudade é o que define o que me fizeste sentir e recordar quando a casa pulsava vida.
    Lindo!
    Beijinho Maria:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tão parecidas, as casas que vivem dentro de nós, pelos afectos que tinham dentro.

      Beijos, Helena, e obrigada! :)

      Eliminar
  7. Perfeita simbiose, Maria, de tudo. Inclusive da foto que acompanha o texto.
    Bom fim de semana.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. AS casas deixam-nos marcas, cheiros memórias...
    Gostei muito bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Impregnam-nos.
      Muito obrigada, papoila.

      Beijos :)

      Eliminar
  9. Houve casas, algumas
    pelas quase passei
    falar sobre elas, não sei

    As habitadas,
    podia regressar a elas
    todas
    na mais profunda escuridão
    e de memória, saberia
    a porta de entrada, o corrimão
    os quartos, corredores,
    ombreiras, serventias, janelas
    e o que se via por elas

    Nós somos as casas que habitámos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fecham-se os olhos e desenhamos as nossas casas em traço firme.

      Beijinhos, Rogério. :)

      Eliminar
  10. Querida Maria Eu,
    Há séculos que não me lembrava das sopas de leite que cheguei a comer ao pequeno almoço, quando passava férias com os avós. Acredita que nunca me lembrei de as dar a provar aos meus filhos? Estou tentado a iniciá-los este fim de semana. Cá em casa...
    Um beijo de noite feliz,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico feliz por despertar em si as memórias doces da infância.

      Beijos, caro Ente, e uma noite feliz para si, também. :)

      Eliminar
  11. Gosto imenso dos trabalhos desta fotógrafa.
    E as tuas palavras são deliciosas!
    Beijos, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Calhou ver a foto e vieram as memórias.
      Muito obrigada, Isabel!

      Beijos :)

      Eliminar
  12. É um texto muito bonito, Maria. Caloroso. :)

    Deixo-te um beijo. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como as minhas memórias.

      Obrigada, Castiel, e um beijo. :)

      Eliminar
  13. Descreveste lindamente essa sensação que todos trazemos connosco - que os lugares podem ser afetos que nos habitam.

    Um beijinho e um sábado feliz :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os lugares estão tão vivos que perduram para além de nós.
      Obrigada, Miss Smile!

      Beijos, na esperança de te ver voltar. :)

      Eliminar
  14. a minha avó dizia qualquer coisa como chape chape e nã sape sape, mas agora faz mais sentido :)
    bonito o teu texto Tutu. beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AS avós têm o direito de reinventar as lenga lengas!
      Obrigada, Stormyzinho!

      Beijocas :)

      Eliminar
  15. perpetuamento.
    muito bonito, mas a minha avó nunca me apresentou as Sopinhas de leite com pena minha, pois só agora conheci tal lenga lenga. e tal manjar não me passou no palato
    beijos de (bom) fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca é tarde para provar sopinhas de leite, nem para brincar com esta lenga lenga com a tua filha! Ela vai gostar que a termines a fazer sape, sape, sape, numa sessão de cócegas!

      Beijinhos, Urso Misha :)

      Eliminar
    2. Desafio aceite ;)
      Grato pela ideia, talvez teste este fim-de-semana...

      Beijos Maria

      Eliminar
  16. Respostas
    1. Vem a ternura na memória...
      Obrigada, Daniel.

      Beijinhos :)

      Eliminar
  17. Todas as casas guardam memórias e são uma espécie de testemunhas de todas as vidas.

    Bjnhs

    ResponderEliminar
  18. A casa é a morada do corpo, e o corpo, é a morada da alma; assim, a casa é a morada da alma...

    Bom Domingo, Maria!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O corpo é a nossa casa.

      Beijos, Legionário. :)

      Eliminar
  19. Sons, cheiros, texturas, memórias. Embrulho-me suavemente neste texto. :)

    ResponderEliminar
  20. Que bonito Maria. Faz-nos recuar no tempo e nas memórias. Bom final de domindo :)

    ResponderEliminar
  21. Mesmo, Maria. Uma casa pode habitar-nos. Uma casa que, para além de paredes, de móveis, guarde memórias vivas. Há casas que, para além de nos habitarem, nos abraçam, é como se nas suas paredes tivessem nascido braços. Não, não é isto, as casas não têm braços, os braços são nossos, o que acontece é que, de tão habitadas por nós, de tanto nos habitarem, deixam de ser apenas casas passando a ser, também, uma extensão do nosso corpo.

    Beijinhos, Maria, uma excelente semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De todas as casas que habitei, nem todas me habitaram. Algumas houve que nunca foram capazes de sentir o ritmo do meu coração, talvez porque não tinham a gente certa dentro.

      Beijos, Cláudia, e uma noite feliz. :)

      Eliminar
  22. Impressões digitais que ficam para sempre na/à mão, no frio do puxador da porta, no ar quente que irradia a lareira, na travessa da cadeira que se arrasta. E quando se respira, o cheiro da roupa lavada, da canela e do guizado. O som que se ouve ainda das histórias e das janelas perras a abrir antes da Primavera.
    Muito bem, Maria

    ResponderEliminar