sábado, janeiro 30, 2016

Insónia

(William Dobell)


Há muito que a insónia atormentava Leandro. Experimentara os chás da Ti Zeferina, os comprimidos "naturais" da prima Joana, os diazepam e outros terminados em "am". Tentara mesmo acalmar a falta de sono com longos banhos de imersão bem quentes e copos de leite. Nada! Leandro sabia que era o clamor dentro da sua cabeça que o mantinha acordado noite adentro. O ruído contínuo e ensurdecedor da culpa. Meses de olheiras fundas e cefaleias fizeram-no procurar a única cura possível. Levantou-se bem cedo (afinal ainda nem adormecera e já eram seis e meia da manhã), dirigiu-se a casa de Mariana, bateu à porta e, quando ela a abriu, estremunhada no seu robe azul-turquesa, disse a palavra que lhe sonegara há uns anos atrás: "Amo-te!"
Mariana nem teve tempo de dizer nada. Ele entrou de rompante, percorreu o corredor até ao quarto, atirou-se para cima da cama e adormeceu.


Não sabe a narradora como procedeu Mariana ao saber-se usada como cura para os males da falta de sono. Fosse ela...



20 comentários:

  1. :)

    Esvaziou! E acalmou, o que não vivemos de uma forma ou outra, vem sempre ao de cima.

    Beijoca Tutu :)

    ResponderEliminar
  2. ... e o remédio ali tão próximo.
    Às vezes damos voltas a mais.

    ResponderEliminar
  3. "A ferida de cão cura-se com o pelo do mesmo cão", lá diz o ditado...
    Beijos, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Tarde piaste", também diz o povo... ;)

      Beijos, Teresa :)

      Eliminar
  4. O amor tira-nos o sono :)))
    bjs e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou faz-nos dormir tranquilos, sei lá! :)

      Beijos, papoila :)

      Eliminar
  5. a mim quem me tira o sono é a Insónia :) veio cá dormir outra vez...

    ResponderEliminar
  6. Quantos anos de noites acordadas e manhãs cansadas foram precisos para o Leandro procurar a cura? Talvez se tivesse ido mais cedo, ele e a Mariana tivessem tido uma nova oportunidade. Ou será que ainda foi a tempo?

    Um beijinho, querida Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez... Assim, apenas ganhou uma noite de sono.

      Beijos, querida Miss Smile :)

      Eliminar
  7. Leandro tinha insónia ao tatear o travesseiro vazio, insónia de chamar nome ausente, insónia de segurar mão distante..
    Fez muito bem em ter dormido como um anjo, depois de ter pronunciado a palavra “mágica” a Mariana, remédio santo!:))

    Semana feliz, Maria!;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que Leandro era um bocado covarde...

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  8. Às vezes só temos que aceitar o que sentimos, é o quanto basta. :)

    Deixo-te um enorme beijo, Maria Tu. :)

    ResponderEliminar
  9. Se o remédio para as minhas insónias fosse esse, tratava já dele :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas tu és uma rapariga decidida!

      Beijos, GM :)

      Eliminar