domingo, maio 31, 2015

Sapatos novos

(Imagem do filme It should happen to you retirada daqui)

Tinha uns sapatos novos, Idalina. Eram lindos! De verniz preto, tacão de cinco centímetros, levemente bicudos, como se usava, rematados com um laço de cetim. Idalina contava a todos como eram modernos, extraordinariamente bonitos, os seus sapatos novos mas, quando ninguém via, apressava-se a descalçá-los para sentir os pés livres.

17 comentários:

  1. É como despir a pele e ficar livre... Bjs Maria

    ResponderEliminar
  2. Pena que não possa (eu) livrar-me do coração
    Aperta-me tanto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas também é lá que residem coisas tão boas como o amor, a amizade,...

      Beijos, Rogério. :)

      Eliminar
  3. Sabe mesmo bem, muitas vezes, retirarmos os sapatos e deixar os pés à vontade, ao ar livre...
    Um beijo de faço votos que estejas bem !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Libertarmo-nos de restrições sabe sempre bem. :)

      Estou bem, obrigada, Ricardo. Um beijo.

      Eliminar
  4. É o mal dos sapatos novos. Lindos mas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E de muitas outras coisas que nos "apertam"...

      Beijos, Luísa. :)

      Eliminar
  5. Sempre que nos deparamos com situações novas, ou calçado novo, temos sempre aquele tempo de adaptação.
    Beijinho grande, Maria e grata pelo teu carinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem sempre o mais bonito é o que melhor se nos adapta.

      Não tens que agradecer. Tu mereces.
      Beijos, Sandra. :)

      Eliminar
  6. Respostas
    1. É má.

      Beijos, Marta, e obrigada pela visita. :)

      Eliminar
  7. Minha querida Maria Eu,
    Imagino um sentido muito para além do pé da letra. Mas, é literalmente assim que vos imagino.
    Um beijo,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem um pequeno segundo sentido, sim. Mas imagina muito bem. :)))

      Beijos, caríssimo Ente.

      Eliminar
  8. Há pés que dispensam sapatos. Não por falta (ou erro, culpa) de sapatos mas por virtude natural dos pés.

    É ou não, Maria?

    ResponderEliminar