sábado, maio 30, 2015

Habitar um poema


('The Longing' by Jack Vettriano)


Tento empurrar-te de cima do poema

Tento empurrar-te de cima do poema
para não o estragar na emoção de ti:
olhos semi-cerrados, em precauções de tempo
a sonhá-lo de longe, todo livre sem ti.

Dele ausento os teus olhos, sorriso, boca, olhar:
tudo coisas de ti, mas coisas de partir...
E o meu alarme nasce: e se morreste aí,
no meio de chão sem texto que é ausente de ti?

E se já não respiras? Se eu não te vejo mais
por te querer empurrar, lírica de emoção?
E o meu pânico cresce: se tu não estiveres lá?
E se tu não estiveres onde o poema está?

Faço eroticamente respiração contigo:
primeiro um advérbio, depois um adjectivo,
depois um verso todo em emoção e juras.
E termino contigo em cima do poema,
presente indicativo, artigos às escuras.


Ana Luísa Amaral




Habitas o poema sem pudor. Sentas-te no verbo, pousas o copo no pronome e sorris, descaradamente, ao apor de uma vírgula. 

18 comentários:

  1. Dá vontade de dizer como o Artur Semedo "Lá vai poema,,,"

    ResponderEliminar
  2. Os poemas são boas excelentes moradas :)
    Beijinho Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho, ou não fosse eu amante de poesia.

      Beijos, Sandra, hoje mais repenicados ainda. :))

      Eliminar
  3. O poema...essa hesitação prolongada entre o som e o sentido.

    Bom fim de semana, Maria!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adoro enredar-me no poema.

      Beijos, Legionário e boa semana. :)

      Eliminar
  4. Amour - Amour. Adianta empurrar!? Enquanto estiver entranhado escorregará sempre para o poema. ;)

    Maria, foste modelo para Jack Vettriano? Parece tanto...

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O poema é tramado. ;)
      Ui! Quem me dera! Não te esqueças que só vês um olho e a boca, o resto está convenientemente escondido. :P

      beijos, Té. :)

      Eliminar
  5. E a seguir, sem reticências
    em tais poemas
    surge a interjeição
    e, bem juntinho, o ponto de exclamação

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esses safados, no escurinho do poema! ;)

      Beijos, Rogério. :)

      Eliminar
  6. Quando se vive nos poemas, o pudor pode ficar para mais tarde :)
    Muito bonito Maria.
    beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o mundo delirante da imaginação.

      Beijos, I. :)

      Eliminar
  7. Neste poema só não vale colocar um ponto final. :)

    ResponderEliminar
  8. Havia por aqui um comentário de alguém que dizia ter lido um livro da Ana Luísa Amaral. Li-o e agora não sei onde foi parar! Se faz favor, acuse-se o autor! :)

    ResponderEliminar
  9. Por falta de gramática e,
    já agora, de geometria
    se gelatinam, se esboroam poemas.
    Uma pena!
    De faisão e com tinta pode ser
    já é um bom começo.
    Depois, é usar os adereços,
    os que mais convêm
    como consoantes, vogais, palavras, suspiros,
    perdão, vírgulas
    que a propósito venham.
    E o epílogo é no ponto final.

    Gosto da Ana Luísa Amaral. Será que me denunciei? Não sei. Se fui eu...não fui, Maria. Os livros devem ser sempre devolvidos ao proprietário pois são objectos sagrados. Há sempre uns que ganham sumiço...
    E pronto, acabou o recreio.
    Bj

    ResponderEliminar