quinta-feira, maio 14, 2015

Memórias numa nuvem

(do blog Luís Desenha)


Tal como Rosalina, Maria Antónia gostava de se perder nas suas memórias. Ao contrário dela, porém, nunca as fechara à chave. Pairavam em nuvens acima da sua cabeça e faziam com que os olhos ora brilhassem, ora se enchessem de lágrimas ou escurecessem, conforme a memória que, em incursão atrevida, saísse da nuvem. 
Era um gosto vê-la nos dias em que eram de alegria, essas visitas! Adivinhavam-se-lhe flores, mãos dadas, beijos, abraços, risos e rios de ternura onde nadavam peixes coloridos.



28 comentários:

  1. As nuvens mais leves, quase transparentes, levam sonhos sem pingos.
    Não adianta esconder memórias com bolas de naftalina se o peso que delas se abate vai dos medos ao chão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É desses sonhos que se fazem os sorrisos.

      Beijos, Agostinho. :)

      Eliminar
    2. Estou de "quarentena" Há dias que ando assim febre uma tremideira que não me seguro. Diz o médico que é uma virose.
      Que bicho e chatérrimo é.

      Eliminar
    3. OHHH! Votos de rápidas melhoras, Agostinho!

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Muito obrigada, querida Sandra.

      Beijos. :)

      Eliminar
  3. Só deveria ser guardado o que merecesse ser recordado - só memórias felizes!
    Beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era bom que assim pudesse ser, realmente, Té!

      Beijos. :)

      Eliminar
  4. As nuvens podem ser uma extensão da memória e da imaginação!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem lá no alto, pairando no céu. :)

      Beijos, Legionário. :)

      Eliminar
  5. Não somos apenas as memórias que temos. Somos também o que fazemos com elas e como as vamos desanuviando...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos feitos de "nós".

      Beijos, Rogério. :)

      Eliminar
  6. eu adoro nuvens!
    fico feliz quando me visitam...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como tu, hoje, que me fizeste feliz com a visita! :)

      Beijos, Tétisq. :)

      Eliminar
  7. Há memórias assim

    Lindas

    nebulosas como algodão
    até ser outro dia

    ResponderEliminar
  8. Gostei destas memórias, assim, flutuantes. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Umas danadinhas, estas memórias em nuvem. E modernas, pois não está "in" o conceito de "cloud"? ;)

      Beijinhos, Luísa. :)

      Eliminar
  9. As memórias não se devem fechar à chave para não se perderem. No entanto, não acredito que peixes possam lá nadar :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OLha que há peixes capazes de nadar nos locais mais improváveis! :))

      Beijos, Cidadão. :)

      Eliminar
  10. Há nuvens que nos ensombram
    Há nuvens que acordam
    Há memórias que se esquecem
    Outras que nunca se apagam!


    Beijinho memorial sem sombra de pecado e bom fim de semana.
    ***

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há memórias que não queremos apagar...

      Beijos, Maria /Manel. Que estejas bem! :)

      Eliminar
  11. Boa tarde, as memorias desagradáveis devem de ser transformadas em nuvem para que o vento as leve, assim, guarda-se e recorda-se as boas memorias.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou então, ter uma nuvem especialmente leve e branca feita de memórias boas.

      Beijos, AG. :)

      Eliminar
  12. Gostei muito Maria! É um prazer ter um texto assim a dar sentido a um desenho, a adivinhar-lhe o propósito. Gosto da música também. Gosto da Rosalina e da Maria Antónia. E já sabes que gosto de ti e de ler a tua energia. Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Luís! Os teus desenhos são inspiradores

      Beijos. :)

      Eliminar