quarta-feira, maio 13, 2015

A 13 de Maio (na Cova da Iria?)

(daqui)


Noutros tempos, havia, neste dia e neste mês, o louvor ao milagre da Senhora cheia de luz a pairar numa azinheira, ali para os lados de Fátima, perante os olhos dos pastorinhos. Maio será, depois de 13, escrito maio, como aquele que se usa pendurar nas portas de 30 de Abril para 1 de Maio, recordando a forma engenhosa como Jesus terá escapado à morte por terem os habitantes da povoação colocado giestas em todas as portas ao constar-se que os Judeus teriam marcado com um ramo desta flor a entrada da casa onde sabiam encontrar-se o Menino.
Desta mudança continuarei espectadora pois que, no espeto, só uma bela de uma carne. Bem, concedo um peixe, umas lulas, um camarão. Reconheço, não sou crente!



22 comentários:

  1. Maria, eu tenho que me assumir como uma voz discordante quase isolada neste pequeno universo virtual da escrita. Não sou contra levantamentos ou até revoluções, mas reconheço que aqueles a quem confiei, eu no plural de um povo votante, as escolhas quanto ao caminho a seguir possam tomar decisões contrárias ao meu pensamento. Não creio que seja motivo para erguer o cajado, por isso resta-me acatar :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Profissionalmente, não terei outro remédio. De forma privada, escrevo como sempre.Não é uma guerra, é uma opção.

      Beijos, Ness. :)

      Eliminar
    2. Parece que somos os únicos a adoptar tal imposição governamental, os outros parceiros, tiraram o acento ao cágado e cagaram-se no assunto. Não só há cinquenta anos, hoje também, orgulhosamente sós. Quando tanta outra coisa há para fazer, entretêm-se estes (des)governantes a brincar ao que não sabem..
      Quanto a mim, não adopto e ponto final.

      Eliminar
    3. Profissionalmente, não tenho outro remédio. Aqui, continuo a não usar.

      Beijos e obrigada pela visita, noname :)

      Eliminar
  2. As giestas são conhecidas como Maias, pois no 1º de Maio há o hábito, no Interior Norte e Centro de Portugal, de colocar uma ramo desta espécie nas portas ou janelas das casas, contra o “mau-olhado”, ou “para que haja fartura”, mas pelo que consta a inveja está em fase de crescimento e quanto à fartura…só em roulotes de churros e afins! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maias ou maios, e há inúmeras explicações para esse costume. mas lá que é bonito, é. :)

      Beijos, Legionário. :)

      Eliminar

  3. Nunca irá haver consenso... e aquilo que era suposto unir-nos está afinal a separar-nos!
    :((
    Até agora eu até podia andar enganada que sabia escrever... hoje tenho a certeza que não sei escrever correctamente.
    (mas como não tenho de ser avaliada... que se lixe"!)

    Beijinhos com ou sem acordo
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não irá haver consenso mas também não é necessário exagerar! :)

      Beijocas! (ou será beijoas, com o acordo?) :P

      Eliminar
  4. Passo, devagar, para te deixar um beijinho e uma sugestão. Esquece lá isso dos consensos. :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto de consensos mas não estou sempre em consonância, Observador!

      Beijos. :)

      Eliminar
  5. Sou crente!
    Crente na ressurreição da minha gente
    E de a Utopia
    ser nossa, um dia

    (tenho aquela fé, de que cantava o Zé)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa fé, também a tenho, Rogério. :)

      Beijos. :)

      Eliminar
  6. Que me interessa o mirandês ou o minderico, a língua de vaca ou da sogra?
    Enquanto houver portas assim que dão passagem a gatos e gatas, assinaladas a maias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É linda, a porta, realmente. :)

      Beijos, Agostinho. :)

      Eliminar
  7. Será que posso subscrever o comentário do Agostinho?
    É que embora este acordo seja pomo de discórdia, o importante é determo-nos nas coisas boas da vida e desprezar aqueles que com as suas decisões apenas mostram o desprezo que têm pelo país.
    Excelente o seu post.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, Carlos!
      Muito obrigada!

      Beijos. :)

      Eliminar
  8. Era o mês de Maria. As aparições algo de nitidamente extra terrestre. Acredito nos enviados de outros mundos, para colonização do nosso. Principalmente Portugal. No momento actual, diria que a colonização é algo urgente. É que o nosso país já ninguém aguenta. Os portugueses a precisarem de reestruturar mentalidades. E isto não é piada à TAP.
    Gostei de viajar por aqui. Já tinham falado na Maria. A família cá de casa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fina D'Armada tem uma teoria sobre as aparições muito nessa linha. :)
      Cidadão, fico grata pela visita e pelas amáveis palavras.

      Beijos. :)

      Eliminar
  9. Boa(s) boca(s)!
    E bela canção, pois então.
    :)

    ResponderEliminar