segunda-feira, maio 04, 2015

Golpe de vento



Sai de casa apressada, como de costume. O vento fustiga-lhe a cara e as mãos nuas. Traz-lhe uma irritação inquietante, o vento, assim forte e descontrolado. Rolam pedaços de guarda-chuvas pela praça e milhares de pequenas partículas de folhas, papéis, resíduos de lixo, formam espirais  visíveis que se recortam no ar. Ramos de árvore caem ali ao lado. 
Morreu um homem, hoje, junto à praça. Havia um ramo com o nome dele escrito a ser levado pelo vento inusitadamente violento. 


24 comentários:

  1. O vento e sua bravura. O vento e seus mistérios!...
    AbraçO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O vento faz o que muito bem lhe dá na gana!

      beijos, Nidja. :)

      Eliminar
  2. Querida Maria Eu,
    Este tempo que nos revolve os mortos e não deixa entrar bafio. Antes o sol que tarda.
    Boa noite,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje está sol, por aqui, mas o vento regressou. Que não mate, desta vez.

      Beijos, Ente, e boa tarde. :)

      Eliminar
  3. Hello Maria, Thank you for the lovely words about my painting and for linking to my website. Neil McBride

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. I am the one who should thank you for not minding my use of your beautiful work in my blog.
      Thank you very much!

      Eliminar
  4. Maria...que agonia!
    Falares-me de vento agora.
    Ontem soprou todo o dia
    Ainda bem que foi embora!

    Beijinho e que o bom tempo ilumine as nossas vidas, sempre!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois foi, queria/o Maria/Manel!

      Um beijo carinhoso com desejos de que estejas muiiiiiitoooooo bem! :)

      Eliminar
  5. Sabia-me bem ir... nas asas desse vento :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desde que fosses resgaurdada!

      beijos, GM. :)

      Eliminar
  6. Pode ser que o vento
    em rajada
    acerte nas próximas urnas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desde que os votos "certos" fiquem lá dentro... ;)

      Beijos, Puma. :)

      Eliminar
  7. Gosto do vento assim. Só não gosto quando lhe dão ímpetos assassinos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é seguro andar na rua quando o vento está zangado! vai por mim, carla!

      Beijos. (e que o teu empreendimento tenha sucesso). :)

      Eliminar
  8. Por vezes sentimos o vento "assobiar" dentro de nós...!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em jeito de tempestade.

      Beijos, Legionário. :)

      Eliminar
  9. Todos os dias aqui venho e sinceramente, admiro cada vez mais a tua pessoa e o teu blogue.
    Beijinho Maria!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh... Nem sei o que diga, Ricardo, a não ser muito obrigada!

      Beijinhos. :)

      Eliminar

  10. Minha querida, nesse dia pensei em ti...
    (ainda não me conformo!)

    Beijos em hora de calmarias

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 5 minutos antes e teria sido eu...

      Beijos, querida. :)

      Eliminar
  11. Não se consegue controlar a Natureza Maria..

    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois não S.o.l. e nós estamos a irá-la.

      Beijos. :)

      Eliminar
  12. A Maria noticiou:
    decididamente é perigoso
    andar pela rua em canseiras
    atravessar nas passadeiras

    Em dias assim na cama
    o quentinho que se saiba
    não traumatiza a ossatura
    pelo menos enquanto o sol dura.

    Dizem: "vem calor!" pois
    para variar dias só dois.
    Que venha que nós
    queremos é o bem bom:
    ir à praia esprairecer.
    N'é?

    ResponderEliminar