sábado, maio 02, 2015

Rasga-me

(Graham Dean)




Encargo

No me des tregua, no me perdones nunca.
Hostígame en la sangre, que cada cosa cruel sea tú que vuelves.
No me dejes dormir, no me des paz!
Entonces ganaré mi reino,
naceré lentamente.
No me pierdas como una música fácil, no seas caricia ni guante;
tállame como un sílex, desespérame.
Guarda tu amor humano, tu sonrisa, tu pelo. Dalos.
Ven a mí con tu cólera seca de fósforo y escamas.
Grita. Vomítame arena en la boca, rómpeme las fauces.
No me importa ignorarte en pleno día, saber que juegas cara al sol y al hombre.
Compártelo.

Yo te pido la cruel ceremonia del tajo,
Lo que nadie te pide: las espinas
Hasta el hueso. Arráncame esta cara infame, oblígame a gritar al fin mi verdadero nombre.


Julio Cortázar




Queria tudo. Queria a doçura dos lábios e o rasgar dos dentes, as carícias leves dos dedos e o cravar das unhas, o sorriso suave e o esgar de gozo. De nada lhe dessem a metade. Da outra metade ficaria sempre à míngua, sufocando na vontade do grito último e fero.

28 comentários:

  1. Respostas
    1. Cortázar, arrepia até aos ossos.

      Beijos, Ricardo. :)

      Eliminar
  2. Tudo
    e um todo que nunca acabe
    (No me des tregua, no me perdones nunca.)

    ResponderEliminar
  3. Sim, tudo, a cada vez.

    Beijos, Rogério. :)

    ResponderEliminar
  4. Profundo e arrepiante.
    Beijos, Maria Eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cortázar tem esse efeito, Observador.

      Beijos. :)

      Eliminar
  5. E em dias assim não se sente nem sol nem chuva, não se sente dor nem ódio, nada se deseja e tudo se é.

    ResponderEliminar
  6. Quanto mais se quer, melhor se quer!

    Bom fim de semana, Maria.:))

    ResponderEliminar
  7. A vontade aquecida pelo sangue do desejo inquieta o coação.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma mistura que desinquieta.

      Beijinhos, Cadinho Roco, e obrigada pela visita. :)

      Eliminar
  8. Que se tenha sempre por inteiro Maria :)
    Beijos

    ResponderEliminar
  9. Para tudo querer há que tudo dar. E quem o pode? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai-se podendo, Ness. Aproveitem-se os momentos!

      Beijos. :)

      Eliminar
  10. Tudo é tanto que pode, por vezes, ser demais. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode, Luísa, mas fica muito vazio se não se tentar ter o máximo.

      Beijos. :)

      Eliminar
  11. Ai Maria Eu que pornográfica que estás;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pornográfica? Ora! Intensa, isso sim!

      Beijos, Til. :)

      Eliminar
  12. Uma entrega completa e total, tem que ser única !
    Um post perfeito!

    beijinho

    ResponderEliminar
  13. Belíssimo poema , belíssima imagem , belíssima escolha musical....
    Deixo beijos...gostei de passar por aqui...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Cristina, pela presença e pelas palavras.

      Beijos. :)

      Eliminar
  14. O supremo sacrifício
    é quando o silex rasga a carne
    e uma chuva de estrelas anuncia
    a redenção do fim do mundo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A oferenda no altar do amor.

      Beijos, Agostinho. :)

      Eliminar