quarta-feira, dezembro 08, 2021

 


(imagem daqui)



Havia um sapo no jardim. Diziam-no jardineiro, auxiliar dos que tratavam as rosas, os cravos e demais flores, as plantas verdes e a horta.

Joaninha vira-o a espreitar por entre a relva já um pouco crescida, a precisar das mãos hábeis do Sr. Joaquim na tesoura afiada que repousava no armário das ferramentas.

Ia, desde então, visitá-lo a cada dia, quando chegava da escola. E lá estava ele, como que a dizer-lhe olá, os olhos muito brilhantes no verde relvado. Ficava ali, na conversa, contando-lhe das aulas, das brincadeiras no recreio, das saudades que tinha sempre de chegar a casa.

Um dia, a professora contou um conto dos irmãos Grimm, no qual uma princesa, enojada com a figura de um sapo, o atirava a uma parede, transformando-se o bicho num príncipe.

Joaninha correu todo o caminho, ansiosa por se encontrar com o seu amigo. Em chegando, nem sequer disse olá. Pegou-lhe, levou-o para a garagem, e atirou-o com toda a força de encontro à parede que logo se tingiu de sangue.

Por mais que esperasse, a menina não via transformação nenhuma, a não ser a da falta de brilho nos olhinhos de seu amigo.

Decidiu aguardar até ao dia seguinte à tarde.

Logo na primeira aula da manhã, a professora continuou o tema do dia anterior:

- “Como a aula terminou no preciso momento em que o garboso príncipe sorria para a princesa, não tive tempo de vos contar que há muitas versões desta história. Dizem que o sapo dos Grimm, afinal, teria morrido, e que a princesa só conseguiria transformá-lo com um beijo, ou então, deixando-o dormir na sua almofada.”

Lavada em lágrimas, Joaninha contou à professora o sucedido. Aprendeu, desde então, que a realidade nada tem a ver com a ficção, ainda que assim seja contada em certos livros.



(ONUKA - TIME)

10 comentários:

  1. As crianças ainda acreditam nessas lendas... por vezes tão enganadoras
    .
    Saudações natalícias
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  2. Meu avô sabia escolher as histórias que me contava...

    ResponderEliminar
  3. Imagino o desgosto da menina que ouviu a versão errada da história e perdeu um amiguinho. Que pena!
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. Um conto muito bem contado.
    Histórias cruéis a explorar a inocência continuam a ouver-se todo o santo dia.
    Tantas meninas à espera da felicidade, de alguém que lhes olhe o brilho de olhos e, vai a ver-se, esmifram-lhes a essência atirando-as à parede.
    Histórias ao contrário, de sapos a atirar Got Talents à vacuidade de jardim.
    Para remate, sempre te digo, para não ficares triste: gosto muito dos jardineiros.
    Beijo, Maria, e precata-te dos predadores nojentos. E do Ó...

    ResponderEliminar
  5. tive um pressentimento que isto ia acabar mal para o sapo :)
    Feliz Natal! Muita saúde, paz e alegria :)

    ResponderEliminar
  6. A realidade é dura, mesmo quando não é real. Felicidade e Saúde Boa para o Novo Ano.

    ResponderEliminar
  7. Mais uma belíssima publicação, Maria !
    Bom Ano para ti e para os Teus

    ResponderEliminar