terça-feira, outubro 19, 2021

Transmutação

 

(Sebastian Fernandes/Artmajeur)

Sentava-se no lugar do costume, na posição do costume, com os livros do costume, numa rotina cada vez mais muda. Lentamente, parecia fundir-se com o cadeirão que, de dia para dia, ia tomando paulatinamente a forma do seu corpo. Ou seria o oposto, e era ela que parecia vestir a forma do cadeirão, arriscando-se a desaparecer na profusão de flores cor de vinho do tecido?


(Camille Thomas – Dvorák: Songs My Mother Taught Me)

20 comentários:

  1. Gente que espera a morte enquanto sobrevive.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou que vai morrendo lentamente sem o perceber.

      Beijinho, Pedro. :)

      Eliminar
  2. Olá Maria fiquei a pensar nessa tua frase "Ou que vai morrendo lentamente sem o perceber."

    ResponderEliminar
  3. Teu texto
    entra pela realidade
    adentro
    é gente
    que ante de morrer
    já não vive

    (E que belo
    esse som
    de violoncelo)

    Beijo de amizade

    ResponderEliminar
  4. Este texto é alusivo ao confinamento :) !
    Gostei Maria, de tudo, como é costume. O teu bom gosto é exemplar !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a outros confinamentos...
      Muito obrigada, Ricardo!

      Beijinhos ☺

      Eliminar
  5. A rotina é um acomodamento terrível. Um texto que alerta para isso. Sejam quais forem as circunstâncias é preciso vencê-la. Belíssimo e reflexivo.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando já nem se sabe quem somos...

      Muito obrigada, Graça, por tudo!
      Beijinhos ☺

      Eliminar
  6. Uma crónica, «carregada» de poesia... ou um poema «disfarçado» em forma que não sei identificar, mas sempre de rara beleza!

    ResponderEliminar
  7. Um dia vai ter de se levantar ir para a rua enfrentar a realidade.
    Não se podia deixar morrer - pensou.

    ResponderEliminar
  8. Existem vidas com muitas dificuldades tanto físicas como mentais. Desistir e esperar a morte NUNCA será a solução, mas sim, o problema. Haja coragem para sobreviver nesta vida terrena
    .
    Cumprimentos poéticos.
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  9. Maria,
    Pões-me a pensar em
    Gente que aos costumes diz Sim
    Molda-se à cadeira da circunstância
    E às vezes
    Até ganha substância,
    Faz flores sem exuberância
    Desengraçadas sem odor plastificadas
    Nem por sombras flores.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. Peço desculpa antecipadamente por fazer o que se não deve fazer por falta de autorização e competência: paulatinamente está a mais, oposto não faz falta, profusão cor de vinho das flores do tecido flui melhor.

    ResponderEliminar