terça-feira, abril 23, 2019

Reclusão

(Blind-Ace in Deviantart)


Quando lhe deram ordem de reclusão, Maria Antónia ruborizou, cerrou os punhos, mas sabia que era o seu destino.
Na primeira noite, agitou-se na cama desconhecida em sonhos suados até que lhe entraram porta dentro, acendendo a luz branca e crua sem piedade.
O dia não tinha clareado, de tal modo que nem os pássaros se faziam ouvir. Não obstante, tinha-os visto da janela no dia anterior, nas árvores que sombreavam o parapeito em cujos ramos os pequenos canoros se afadigavam em voos curtos e alegres.
Seria apenas o início de um dos dias longos, entre pisos e salas diferentes, onde pontuavam outros como ela, reclusos de roupão e chinelos, ombros sacudidos por tosses profundas.



(Agnes Obel - Riverside)

27 comentários:


  1. 💙🌻
    Um beijo doce embrulhado num abraço quente

    ResponderEliminar
  2. A meio da vigília, uma nuvem negra passou diante da lua tudo
    ficou negro de um modo sinistro, Maria Antónia pensou ser aquele
    um sinal de colapso.
    Era como se fossem dez homens ou um exército a comprimir-lhe o peito,
    com tanta falta de fôlego, convenceu-se que o coração lhe ia falhar,
    o anjo da morte a pairar sobre ela.

    E o anjo falou e disse: nunca vi ninguém arquejar tão fundo. Queres ser tu a cavar
    ou preferes que eu o faça?
    - é preciso responder? - perguntou a Maria Antónia.
    - é - disse o anjo.
    Maria Antónia sorriu e respondeu: - um anjo belo como tu não deve sujar as mãos.
    Foi assim que Maria Antónia se encontrou na presença do mais belo anjo
    que jamais vira.
    Ambos sorriram ao mesmo tempo e disseram:
    - Ainda bem que nos encontramos!
    Quando acordou sentiu a falta daquele Anjo.

    ResponderEliminar
  3. e foi para isto que a Maria Antónia se avoou?

    porca miséria


    KK ... ufa

    ResponderEliminar
  4. Os pássaros estão sempre lá
    é a única certeza que temos
    se seus voos são alegres?
    Parecem, mas não sabemos...

    A propósito de pássaros
    viste por acaso alguma andorinha?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem todos os pássaros hão-de ser sempre alegres, verdade.

      As andorinhas andam por aí, em voos pequeninos.

      Beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  5. Maria Antónia está num hospício? Pobres almas atormentadas as que estão nesses lugares...

    ResponderEliminar
  6. Gostei bastante de ler:))

    Hoje:-Quando o sol brilha em desalento.

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira.

    ResponderEliminar
  7. "Reclusos de roupão e chinelos"...
    Como escapar essa condição?
    Os chinelos de Maria Antónia ou Manuel José, tanto faz, carregados de chumbo intestino, rompem o linóleo do chão até ao dia em que os retêm na cama, por economia nas despesas de manutenção. E percam a ideia...
    Um cravo é um beijo, Maria Eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes que é algo que costumo dizer quando me prendem, ou aos meus, no hospital, que rompo o chão dos corredores.
      Cravo vermelho é a minha flor favorita, Agostinho, obrigada!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  8. Muito bonito ! Gostei imenso de ouvir a dinamarquesa Agnes Obel. De algumas maneira fez-me lembrar alguma música celta cantada pelas irlandesas !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Ricardo! A Agnes Obel é maravilhosa!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  9. https://www.youtube.com/watch?v=yN-rwpZob54

    ResponderEliminar
  10. Triste mas bonito. Os dias de reclusão são vazios, assim como se sentirá a alma dos reclusos...
    Bom feriado. Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sonhar a Liberdade nem sempre é possível...

      Beijos, GM :)

      Eliminar
  11. Ver o que é suposto ser o fantasma de uma paciente "sentada" no peitoril da janela de um quarto de hospital é um quadro brutal; faz-me lembrar quantas pessoas de idade são deixadas em reclusão e ao abandono pela própria família em muitos hospitais.

    Boa tarde, Maria:)

    ResponderEliminar
  12. que texto impressionante, sofri por Maria Antônia.

    ResponderEliminar