quarta-feira, outubro 21, 2015

Ferida

(Arantzazu Martinez)


Fere-me a morte lenta dos heróis que lutam, sem tréguas, contra a opressão.
Fere-me o excesso de brilho dos que oprimem quando só das trevas se alimentam.


28 comentários:

  1. Maria, as feridas morais têm sempre essa particularidade: ocultam-se, mas não se fecham nunca; sempre dolorosas, sempre prontas a sangrar quando se lhes toque, conservam-se, porém, no coração, vivas e abertas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que se infligem feridas sem razão.

      Beijinhos, caro Legionário. :)

      Eliminar
  2. Seria bom conseguir dividir o mundo em duas metades, mas eu não consigo ver as coisas de uma forma tão linear. Há coroas que, não deixando de ser coroas, são também espinhos...

    Um beijinho, Maria, e um dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas há espinhos que apenas existem porque os enxertam sem razão.

      Beijos, Miss Smile, e um bom dia para si, também. :)

      Eliminar
  3. Estremeci. Em duas linhas a definição do mundo em que vivemos, desde o todo sempre. E nada muda... Estranho fado este.

    Abreijo Maria TU

    ResponderEliminar
  4. O fosso entre os dois lados parece estar a agigantar-se.
    O mundo anda perigoso.
    Bom dia, Maria.

    ResponderEliminar
  5. Sempre foi assim e espero que não se perpetue por muito mais, mas não vejo como mudar, faz parte do Homem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chama-se regressão de valores...

      Beijinhos, Urso Misha. :)

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Se pudéssemos agir com consequência...

      Beijos, São. :)

      Eliminar
  7. É triste que assim seja. Eu pinto-me de cinzento, mas tento ser melhor, um pouco melhor todos os dias.

    Deixo-te um beijo no coração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se assim é, nunca serás cinzenta. Brilharás pelas razões certas.

      Beijos, Castiel. :)

      Eliminar
  8. Acho que os poderosos do mundo poderiam ler essas palavras....e saber que existem pessoas que sofrem com o mal que eles fazem.....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O poder parece ser maléfico.

      Beijinhos, PDR. :)

      Eliminar
  9. Percebi-te. Há tanta gente a fazer-se de desentendida...
    Os romanos no pleno da civilização morreram envenenados pelo chumbo.

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Virar as costas a certas realidades é cómodo...

      Beijinhos, Agostinho. :)

      Eliminar
  10. Quem ganha brilho por conta da "desgraça" alheia, está em valor em crescente, lamentavelmente.
    A luta contra a corrente, está em valor decrescente, lamentavelmente.

    Nem sei o que diga, Maria.
    Fica um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um mundo tristemente indigno.

      Beijos, Sandra. :)

      Eliminar
  11. Respostas
    1. Na vida, Pedro. Só é pena não assinarem todos.

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  12. Fronteiras que a razão não entende!
    Bom dia.
    Um beijinho,
    Mia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem a razão, nem o coração.

      Beijos, Mia. :)

      Eliminar
  13. Temo nunca chegar o dia em que ambas as partes encontrem um meio termo. Beijinho Maria

    ResponderEliminar
  14. Só duas frases, e dizem tanto.
    Fiquei com vontade de dizer que só não me fere "o excesso de brilho dos que oprimem quando só das trevas se alimentam", porque não consigo ver-lhes brilho nenhum, pelo contrário, acho-os baços, mas sim, estarão convencidos de que brilham muito, a mim ferem-me por existirem assim com essa vontade de oprimir alimentando-se de trevas.

    Beijinhos Maria, tu, que brilhas sempre sem excessos e incapaz de oprimir (é o que me diz o meu olhar). :-)



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, querida Cláudia. O brilho é postiço e exterior, já que a alma é sombria. Pena que não se consiga escapar a esses seres...

      Beijos e muito obrigada pelas tuas palavras. :)

      Eliminar