sábado, outubro 03, 2015

4 de Outubro de 2015

"Oh mãe, deia-nos pão!" Escutando Quotidianos de Pobreza
Luiza Cortesão (Ed.)

Hoje, porque amanhã é dia 4 de Outubro, voltei a este livro espantoso, edição Fundação Cidade de Guimarães / Instituto Paulo Freire de Portugal / CIIE. Uma oportunidade de ouvir da pobreza feita de memórias abertas como feridas na carne, um alerta para as condições degradantes em que se viveu e em que ainda se vive neste país onde ainda nem todos são livres.


 Página 221

Página 219



*Peço desculpa pela má qualidade das fotos. Fotografar um livro com telemóvel não dá grande resultado.

16 comentários:

  1. Que bem que escreve Frei Tomás,
    pena os políticos não fazer como ele faz

    :=))

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito das fotos pois respeitam a clareza das mensagens. Igual respeito tivessem as pessoas que têm responsabilidade e poder institucional e executivo.
    Beijos Maria Eu! E Domingo Feliz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faltam-me essas pessoas e sobra-nos gente sem fibra!

      Beijinhos, Luís, e um boa semana (apesar de tudo).

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Ainda que pareçam não ouvir...

      Beijos, Isabel. :)

      Eliminar
  4. Vamos ver o que se segue aos resultados eleitorais.
    Há tantos cenários possíveis que é melhor não arriscar nenhum.
    Boa semana
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso a minha desilusão...

      Beijinhos, Pedro, e uma boa semana para ti também. :)

      Eliminar
  5. Junto a voz da minha revolta aqui... tanto que havia a fazer e tão pouco que se faz. E hoje dia 5, no rescaldo do depois... tristeza tamanha.

    Beijinho em Tu Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos assim, ambas.

      Beijos, enfermeirinha. :)

      Eliminar
  6. Respirar fundo e aguardar...

    Beijinhos, Puma. :)

    ResponderEliminar
  7. Vem de longe o desígnio: cada um tenha um pobrezinho.
    ,eleva-se a alma e poupa-se a Segurança Social!

    Sérgio: a paz, o pão...

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a cada um uma malga de sopa, sentados na soleira da porta da cozinha.

      Beijos, Agostinho. :)

      Eliminar