quarta-feira, outubro 28, 2015

Da ausência

(Asia Jedlińska)

A Partir da Ausência

Imaginar a forma 
doutro ser Na língua, 
proferir o seu desejo 
O toque inteiro 

Não existir 

Se o digo acendo os filamentos 
desta nocturna lâmpada 
A pedra toco do silêncio densa 
Os veios de um sangue escuro 

Um muro vivo preso a mil raízes 

Mas não o vinho límpido 
de um corpo 
A lucidez da terra 
E se respiro a boca não atinge 
a nudez una 
onde começo 

Era com o sol E era 
um corpo 

Onde agora a mão se perde 
E era o espaço 

Onde não é 

O que resta do corpo? 
Uma matéria negra e fria? 
Um hausto de desejo 
retém ainda o calor de uma sílaba? 

As palavras soçobram rente ao muro 
A terra sopra outros vocábulos nus 
Entre os ossos e as ervas, 
uma outra mão ténue 
refaz o rosto escuro 
doutro poema 


António Ramos Rosa, in "A Nuvem Sobre a Página"



Sobram as palavras na falta da presença.

25 comentários:

  1. Respostas
    1. Um maravilhoso irmão, diga-se.

      Beijinhos, Rogério. :)

      Eliminar
  2. A alquimia das palavras num post muito conseguido.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata, Pedro. (adoro Ramos Rosa)

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  3. Um santo da minha devoção.
    Tem graça que ontem desenhei umas letras de imaginação que guardei na caixa dos sapatos...
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto muito
      Espero que as tires de lá para lermos! :)

      Beijinhos, Agostinho. :)

      Eliminar
  4. Maria, sobram palavras entaladas na garganta, quando falta um gesto que era para ter marcado presença, quando se espera por quem já não virá!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bonito, Legionário!

      Beijinhos e um bom fim-de-semana. :)

      Eliminar
  5. Bela imagem, Maria!
    Pois, há circunstâncias em que não sabemos se as palavras escasseiam ou sobram.
    Talvez só existamos a partir dos outros...
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sós,não existimos mesmo.

      Beijos, Isabel. :)

      Eliminar
  6. "Mas agora estou no intervalo em que
    toda a sombra é fria e todo o sangue é pobre.
    Escrevo para não viver sem espaço,
    para que o corpo não morra na sombra fria.

    Sou a pobreza ilimitada de uma página.
    Sou um campo abandonado. A margem
    sem respiração.

    Mas o corpo jamais cessa, o corpo sabe
    a ciência certa da navegação no espaço,
    o corpo abre-se ao dia, circula no próprio dia,
    o corpo pode vencer a fria sombra do dia.

    Todas as palavras se iluminam
    ao lume certo do corpo que se despe,
    todas as palavras ficam nuas
    na tua sombra ardente."

    António Ramos Rosa, A Construção do Corpo, 1969

    Ficam sempre as palavras e a música (muito bem escolhidas).

    Um beijinho, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E António Ramos Rosa tem-nas para lá de belas!
      (obrigada)

      Beijos, Miss Smile. :)

      Eliminar
  7. Ao passar pela net afim de encontrar novos amigos e divulgar o meu blog, me deparei com o seu que muito admiro e lhe dou os parabéns, pois é daqueles blogs que gostaria que fizesse parte de meus amigos virtuais.
    Pois se desejar visite o Peregrino E Servo. Leia alguma coisa e se gostar siga, Saiba porém que sempre vou retribuir seguindo também o seu blog.
    Minhas cordiais saudações, e um obrigado.
    António Batalha.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. E a música que está tão bem escolhida!
    bjs

    ResponderEliminar
  9. Ramos Rosa não é o meu poeta preferido...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu adoro. Mas a poesia é assim mesmo, uns gostam, outros não.

      Beijos, São.

      Eliminar
  10. A tua Ausência

    Escrevo-te estas palavras
    Em busca de absolvição
    Não quero continuar a ser
    uma desilusão

    Só se sabe o que se perde
    Quando já se foi
    E só agora eu sei como doi
    A tua ausência

    Tenho fumado demais
    e bebido para te esquecer
    e continuo a acreditar que o impossível
    Pode acontecer

    Perdi a noção do tempo
    E sinto em mim a revolta
    Por não te ter
    Quero-te de volta

    E é toda esta distância
    que me faz duvidar de mim
    queria que fosse diferente
    não tinha de ser assim
    Morri ao ver o teu adeus
    Escrito no espelho
    Assinado pelos teus lábios
    Em batom vermelho
    Vou sorrindo para o mundo
    Porque tenho de continuar...
    ...Mas só me apetece parar!

    C.N.Gil/XXL Blues "A tua ausência" © 2014

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Poeta, para além de escritor de romances? (o primeiro está ali ao lado, na estante) :)

      Beijinhos, C. N. Gil. :)

      Eliminar
    2. Bem, eu e o António Ramos Rosa eramos colegas de editora... LOL. Mas eu não sou um poeta, faço umas rimas para as minhas músicas...
      Tens o "Lilith"?!? Espero que tenhas gostado :)

      Eliminar
  11. ... é um fervilhar de rins ao entardecer.

    Beijo

    ResponderEliminar