quinta-feira, setembro 10, 2015

Mulher num quarto de hotel






Edward Hopper Study: Hotel Room


While the man is away
telling his wife
about the red-corseted woman,
the woman waits
on the queen-sized bed.
You'd expect her quiet
in the fist of a copper
statue. Half her face,
a shade of golden meringue,
the other half, the dark
of cattails. Her mouth even—
too straight, as if she doubted
her made decision, the way
women do. In her hands,
a yellow letter creased,
like her hunched back.
Her dress limp on a green chair.
In front, a man's satchel
and briefcase. On a dresser,
a hat with a ceylon
feather. That is all
the artist left us with,
knowing we would turn
the woman's stone into ours,
a thirst for the self
in everything—even
in the sweet chinks
of mandarin.






Uma mulher loira, de corpete vermelho, senta-se na cama, lendo uma carta escrita em papel amarelo. No chão, um saco masculino. Será que ele partiu para sempre e a abandonou naquele quarto de hotel, atirando-lhe palavras de adeus? Ou apenas lhe diz que, não tarda nada, voltará para a abraçar? 

25 comentários:

  1. Num quarto de hotel
    A uma loira mulher
    De corpete de cor
    seja ela qual for
    Poderá ler
    o que tiver que acontecer

    (mesmo que não seja isso
    o que lá esteja escrito)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Traçar o seu próprio destino.

      Beijinhos, Rogério. :)

      Eliminar
  2. Para fazer a nossa imaginação voar.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tantas histórias que poderiam caber neste quadro. :)

      Beijinhos, Pedro. :)

      Eliminar
  3. A luz que entra pela janela confere alguma esperança ao cenário. Ele voltará, um dia...

    Beijinho, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou ela irá embora e terá outro amor numa casa e não num quarto de hotel. :)

      Beijos, Miss Smile. :)

      Eliminar
  4. O cenário, a linguagem corporal, o semblante, levam a adivinhar um final menos feliz para a mulher loira de corpete vermelho. Mas...se ele esqueceu o saco há-de voltar atrás :)
    Um beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez venha e ela lhe diga que já não lhe faz falta.

      Beijos, Té. :)

      Eliminar
  5. Voltará para a abraçar, Maria!
    Beijo.
    [Gosto muito da pintura do Hopper.]

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desde que o mereça, talvez ela aceite o abraço. :)

      Beijos, Isabel. :)
      (Eu também.)

      Eliminar
  6. Fica na imaginação de cada um, mas olhando para o quadro do Hopper...não sei não!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fica à vontade do espectador. ;)

      Beijos, ars. :)

      Eliminar
  7. Maria, tudo tem começo e meio... o fim só existe para quem não percebe o recomeço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E há sempre um recomeço ao virar da esquina. :)

      Beijinhos, Legionário. :)

      Eliminar
  8. Uma carta amarelecida, lida e relida, deixa sempre na expectativa.
    E as esperas nunca são estéreis, nunca, mesmo que ele nunca regresse.
    Beijinho minha querida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho que, se foi ele o autor da carta, deve ficar bem longe! Talvez a espera dela seja compensada com mais tranquilidade.

      Beijos, Sandrinha. :)

      Eliminar
  9. Hopper e as suas misteriosas pinturas que deixam sempre voar a nossa imaginação .
    Para mim, ele volta ela é que pode já lá não estar.

    Um grande beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adoro Hopper! :)
      Sim! Ele que volte e veja o quarto vazio, só com as suas malas, e sinta o perfume dela no ar!

      Beijos, Fê. :) É bom ver-te de regresso! :)

      Eliminar
  10. Tão giro isto, Maria, este exercício de adivinhação.
    O que eu vejo é uma mulher com um ar triste, acho-a muito triste até. Cara fechada, sem um sorriso, a forma como está dobrada a ler o que está escrito no papel amarelo, sugere-me resignação, desolação. Estará com a vida em suspenso, dependente, do conteúdo do papel amarelo?. Espero que um homem que a põe assim triste, no entretanto, com a vida em suspenso, vestida de corpete vermelho (até o corpete vermelho acho triste) não volte para abraçá-la, talvez seja a sorte dela.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que malcriadice a minha, nem uma boa noite deixei, tal foi a pressa de comentar :)

      Beijinhos e boa noite, Maria

      Eliminar
    2. Boa noite, querida Cláudia! :) Concordo contigo! Eu acho que a sorte dela é que ele não volte. Quem sabe não vem um porteiro todo giraço para transportar a bagagem abandonada e a convida para jantar no final do turno? ;)

      Beijos. :)

      Eliminar
  11. Talvez volte para lhe dizer adeus e ela estivesse melhor sem despedidas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também torço para que não volte, a não ser que seja para lhe dizer que foi apenas buscar morangos, ou água, sei lá! ;)

      Beijos, GM. :)

      Eliminar
  12. Olá, Maria
    Gosto muito de quartos de hotel e de tudo que eles possam envolver, desde que não envolvam estas "relações de quarto de hotel", que passam a ideia de clandestinidade e abandono: tudo o que nada tem a ver com amor.
    E também não me agrada a ideia de se encontrar cartas ao acordar, e ainda mais num quarto de hotel! Quando muito, um bilhete: "fui buscar pão, volto já, beijos e beijos" - que tal?
    Não.
    Ela que se vista rapidinho e se abra à vida.

    bj amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Soubesse eu onde ela pára e dizia-lho, Carmem. :)

      Beijinhos. :)

      Eliminar