quarta-feira, setembro 16, 2015

Notícias

(Maluda)

Era pela manhã que o Sr. Rodrigo passava no quiosque da Aninhas para comprar o jornal. Gostava de estar a par das notícias e o telejornal não lhe inspirava a mesma confiança que as letras de imprensa. Parecia-lhe sempre que os apresentadores tinham alguma na manga, sorrindo maliciosamente e, até, piscando o olho, como aquele que também escrevia livros de mais de duzentas páginas e a sua filha mais velha lia ao fim de semana. Notícias eram notícias, ora! Deviam ser dadas com seriedade! 
- Não acha, menina Aninhas, que na televisão brincam com as notícias?
- Se acho, Sr. Rodrigo! E é tão bom ler estas letras, assim alinhadas página a página, nas folhas do jornal. 
- Ai, também gosta de as ler assim? 
- Todos os dias, sem falta. Pego nos maços dos jornais, logo que chegam, pelas sete da manhã, corto o fio, e ainda antes que os arrume nas prateleiras é um fartar de ler notícias!
- Muito me alegra, menina! Muito me alegra!
E Rodrigo olhava, encantado, para o sorriso de Aninhas, como se a visse pela primeira vez. 

Foi no jornal da terra, como deve ser, que os vizinhos leram do desaparecimento Sr. Rodrigo, empregado do café Estrela, viúvo, de 65 anos, com três filhas e cinco netos,  e da Aninhas, empregada do quiosque Imprensa, solteira, de 30 anos. Passado um tempo, alguém trouxe a notícia que tinham montado uma gráfica e viviam felizes, juntos, no meio de páginas e páginas de letras alinhadas.


24 comentários:

  1. Um amor que nasceu do gosto pelas letras e nele se instalou, simples assim!
    Bom dia Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que as letras são sempre um bom começo. :)

      Beijinhos, Maria. :)

      Eliminar
  2. O Quiosque, símbolo de vivência urbana entre o “amor e o desamor” de cada época, foi notícia de um amor (in)provável ou nem por isso...l! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há quiosques assim, "fazedores" de romances!

      Beijinhos, Legionário. :)

      Eliminar
  3. ;)
    Que grande sortudo hem?? Uma moça nova! Não é para todos. Hahahahha
    Abracinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que a moça nova também teve sorte pois um amante das letras também não é assim tão vulgar. :)

      Beijocas, Uvinha. :)

      Eliminar
  4. Unidos não nas páginas de um romance mas sim num romance de páginas.

    ResponderEliminar
  5. E não é que há histórias assim, Maria! Desapareceu o Manel, desapareceu a Gracinda... GNR em bolandas e, vai a ver-se, estão os passarinhos felizes da vida numa qualquer praia ou cidade a gozar.
    Uma beleza. Gostei mesmo de ver as letras alinhadas como os protagonistas que engengraste.O cheiro, o toque além de poder repetir, folhear para a frente e para trás.
    Melhores notícias e histórias que as do descaradão que se põe a piscar o olho a toda a gente. Eu já não o vejo na TV para não o mandar piscar para o ... outro lado.
    E nunca me atrevi a ler os seus livros, dele. Aquilo tem muito papel. Eu acho até que deveria ser proibido; só à conta dele vai-se pró papel grande parte a floresta nacional.

    Um bj e continua que estou a gostar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, pois há! Os malandros fingem que desaparecem e estão algures, a ser felizes! :)

      Beijinhos, Agostinho, e obrigada. :)

      Eliminar
  6. Homem sortudo que encontrou uma mulher sortuda...
    A vida é assim.... conspira para que sejamos felizes...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E é bom quando assim é, PDR! :)

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  7. Afinal, os jornais também dão boas notícias :)

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma fuga que, afinal, se revelou um encontro amoroso. :)

      Beijinhos, Miss Smile. :)

      Eliminar
  8. Tão bom o Amor que, não estando no alinhamento, desarruma, arrumando ao mesmo tempo.
    Maria, adoro estes contos.

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por isso o Amor é tão intenso.
      Obrigada, Cláudia.

      Beijos e uma boa noite. :)

      Eliminar
  9. Respostas
    1. De vez em quando Há-os. :)

      Beijinhos, Manel. :)

      Eliminar
  10. Ó Maria quando desaparecem dois é sempre de desconfiar ;)
    Baci

    ResponderEliminar
  11. Pagava para ter o teu engenho e arte para brincar com as palavras...mas nunca fui em letras...
    A tua escrita é apaixonante!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Provavelmente és um ás com números e eu, com eles, sou uma desgraça!
      Muito obrigada!

      Beijinhos, Jorge. :)

      Eliminar