segunda-feira, junho 21, 2021

Hoje, o futuro.

(Marc Chagall)


Durante quase toda a vida, Joana pensara no futuro.

Primeiro, quando seria capaz de ler os livros colocados na estante mais alta da sala. Depois, quando lhos permitiriam ler.

Pelos seus 10 anos, perguntava-se como seria “ser mulher”. Ouvia as conversas sussurradas das mais velhas e não se lhe afigurava coisa de muito interesse. De grande interesse, por outro lado, eram as perspectivas de descobrir a que saberia um beijo, daqueles longos e apaixonados dos romances, lidos aos 13 anos.

O beijo veio aos 15. Não foi longo nem apaixonado. Oh, desilusão! Ficou o futuro prometendo melhor. E foi! Paixão, ardor, namoro dos 17! Nem imaginava outro assim! Mas houve outros beijos, de outros lábios. Mais os beijos que os lábios, é certo, mas bons por demais, antevendo não desapontarem.

Universitária, sonhava com a profissão. 

Curiosamente, chegou um tempo em que o futuro era o agora. Celebrava os momentos como se fossem únicos e últimos. Os livros começaram a ser (re)lidos ainda com mais entusiasmo e os beijos (ah, os beijos), sempre ardentes e demorados.


(Gustavo Santaolalla - Alma)

10 comentários:

  1. Uma menina a descobrir o que é ser mulher.

    ResponderEliminar
  2. Tentarmos viver a vida com intensidade e desfrutarmos de tudo o que ela nos proporciona. Bonita esta publicação, quando do Chagall, as tuas palavras e a música de Gustavo Santaolalla.
    Obrigado Maria !

    ResponderEliminar
  3. Apenas me identifico com a Joana no que se refere ao beijo.
    Quanto ao futuro, não. Curiosamente nunca fixei objectivos a prazo, nem sequer em pôr muito empenho num desejo. A infância e a juventude, a forma em que vivi tempos muito difíceis tornavam efémera qualquer ideia de futuro. Em mim, o futuro foi acontecendo...

    Hoje, o que mais me agrada
    é olhar para trás,
    sem remorso, arrependimento ou mácula

    ResponderEliminar
  4. Carissima Maria Eu, este beijo biográfico fez-me lembrar Bilac: «foste o beijo melhor da minha vida,
    ou talvez o pior...glória e tormento».

    Ainda posso trata-la por Tutu?

    ResponderEliminar
  5. Talvez...os beijos sejam consequências dos nossos belos pensamentos.
    Olá Maria:)

    ResponderEliminar
  6. A suprema sabedoria: Curiosamente, chegou um tempo em que o futuro era o agora.

    Quem me dera!

    Um abraço do Algarve,

    Sandra Martins

    ResponderEliminar
  7. Sem dúvida que o futuro é hoje. Lindíssima esta história da menina que quer ser mulher até que quando lá chega há tanta tanta coisa a descobrir e a acontecer... Gostei imenso de ler.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  8. "Ardentes e demorados"...
    Porventura mais curtos
    que os livros mais altos
    Mais curtos os dos
    especialistas em economia
    sempre com pressa
    das mais valias.

    Continuas a escrever
    com muita qualidade.
    Bj.

    ResponderEliminar
  9. Que ilustração provocatória.
    Onde tem a senhora enfiada a mão e o que está ela a fazer?

    ResponderEliminar