quarta-feira, dezembro 11, 2013

Viagem


Onde as mãos não chegam, cheguem as palavras
onde os lábios não tocam, toquem os violinos
para que cheguem e toquem, antecipadas
as viagens que demandam seus destinos

Onde as naves não acostam, sem entraves
acostem, livres de todo o perigo
os desejos , os sonhos mais tenazes
e as vontades que ainda buscam seu abrigo

E assim, fora do alcance do inalcançável
a noite impenetrável tornará visível
que tudo o que é provado foi improvável
e tudo o que existe é filho do impossível
António Gil 
                               (Andrey Sokolov)

Aportar nos teus braços, ser centelha no teu olhar, fogo nos teus dedos, lava no teu corpo. Tornar visível o desejo invisível.

10 comentários:

  1. "A noite é um tecido invisível onde se pode bordar tudo. Ou, nada."
    Estou mesmo Machado de Assis ( cilindrado)! :))

    The Who , fantasticos. Catapultei-me agora mesmo para o " behind blue eyes"

    Beijo , Maria TU

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essas palavras de Machado de Assis são lindíssimas! :)

      Saudade, não dá, esta música? :)

      Beijinhos Marianos, JM! :)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. E eu gosto tanto que venhas! :)

      Beijinhos Marianos, je suis...noir! :)

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Ou então, confundem-se...

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  4. O impossível é, apenas, aquilo que ainda não aconteceu
    Tudo o que acontece pela primeira vez, era impossível antes de acontecer

    "tudo o que existe é filho do impossível", os poetas
    dizem sempre as coisas certas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E como eu gosto de poesia!

      Beijinhos Marianos, Rogério! :)

      Eliminar
  5. Improbabilidades nas impossibilidades.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente! :)

      Beijinhos Marianos, Pérola! :)

      Eliminar